Apesar de lamentar, ACIL concorda com decisão de fechamento do comércio de Londrina

Fonte: Rádio CBN 

O presidente da Associação Comercial e Industrial de Londrina (ACIL), Fernando Moraes lamenta a decisão de fechamento do comércio, mas apesar disso, concorda com a atitude do prefeito Marcelo Belinati. Ele diz saber o reflexo disso para os comerciantes e para a economia da cidade, mas o critério agora é priorizar a saúde dos londrinenses. Além disso, ele defende que outras cidades, que ainda estão com as lojas abertas, que decretem esse fechamento.  

A orientação é que os comerciantes, apesar da crise, tentem se reinventar e encontrar formas de manter as vendas.

A Federação do Comércio do Paraná (Fecomércio) enviou uma nota oficial sobre a situação atual. A entidade congrega 63 sindicatos patronais do comércio de bens, serviços e turismo do estado, é responsável por 63% do PIB paranaense, representa 500 mil empresas que contam com mais de três milhões de colaboradores e afirma que “o Paraná é um forte produtor de alimentos, o que nos dá a garantia de que as prateleiras dos mercados vão continuar oferecendo os produtos necessários à subsistência da população. Este fato nos permite afirmar, enfaticamente, que NÃO HAVERÁ DESABASTECIMENTO.

As pessoas podem ter a certeza de que teremos disponibilidade suficiente para atender a todos. Por outro lado, é necessário que todos tenham BOM SENSO. Ninguém precisa estocar mantimentos, produtos de higiene e limpeza, rações e outros gêneros de primeira necessidade, além do que estão acostumados a comprar”.

Ainda em nota, a Fecomércio destaca que “as limitações ao funcionamento do comércio, decretadas por algumas prefeituras, têm o objetivo de diminuir a circulação de pessoas, mas sempre haverá alternativas de compra de produtos em cada município, de forma a não prejudicar os cidadãos e suas famílias em momento tão delicado”.