Não há cidade justa sem geração de emprego e renda distribuída

Fonte: Folha de Londrina

Entre abril de 2015, ápice do emprego formal em Londrina e agosto deste ano, Londrina fechou 12.600 postos de trabalho com carteira assinada, conforme o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

O salário médio do trabalhador formal em Londrina é de 2,8 salários mínimos enquanto que um trabalhador na informalidade recebe em média, 44% menos, aponta o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Isso significa que, se todos os que perderam emprego, conseguiram um trabalho na informalidade, a economia londrinense perde R$ 15,5 milhões por mês e R$ 186 milhões no ano, 40% mais que toda a injeção de dinheiro proveniente do saque do FGTS.

Desemprego gera pobreza, ...

Essa situação de desemprego não é particularidade de Londrina. Os dados da POF (Pesquisa de Orçamento Familiar), divulgado na última sexta (4) pelo IBGE revelam que praticamente uma entre quatro famílias vivem com até dois salários mínimos por mês no período 2017-2018.

... desigualdade, ...

A pesquisa também mostra que 2,7% das famílias mais ricas ficam com quase 20% de toda a renda, enquanto que 28% das famílias mais pobres dividem 18% de toda a renda, ou seja, a renda de uma família do estrato mais rico sustentaria 12 famílias do estrato mais baixo.   

... e inadimplência nacional ...

A pesquisa mensal de Endividamento e Inadimplência de agosto/2019, realizada pela CNC (Confederação Nacional do Comércio), acusa que 9,5% das famílias não terão condições de pagar suas contas, 

... e local

Os dados do SPC (Sistema de Proteção ao Crédito) da Acil (Associação Comercial e Industrial de Londrina) apontam aumento de 26% de consumidores londrinense negativados em setembro na comparação com o mesmo mês do ano passado.

Londrina mais que outras...

Mas Londrina tem mais dificuldades de gerar novos postos de trabalho que outras cidades porque é carente de dois setores que trazem dinheiro de fora: o turismo e a indústria de transformação.

... precisa atrair muitos eventos ...

Não temos praias, mas temos uma cidade belíssima, com universidades, centros de pesquisa, um setor da saúde inigualável, praças esportivas, parque de exposições, etc. Somos um destino natural para todo tipo de evento.

... e temos quase tudo

É preciso investir em um centro de convenções digno; treinar melhor todos os envolvidos na recepção ao turista; adequar estrategicamente alguns pontos de visitação; ter um calendário distribuído ao longo do ano em sincronia com nossos eventos tradicionais e ‘vender’ a cidade dentro e fora do País. 

E trazer grandes indústrias, ...

Esta atividade é menos afetada pelas condições locais porque usa os insumos da região, mas vende seus produtos para um mercado muito mais amplo.

... mas não qualquer indústria...

A premissa básica é atrair empresas que demandam insumos que temos em abundância. Portanto, indústrias intensivas em tecnologia e não em recursos naturais.

... e que tenham complementaridade

O esforço para trazer uma grande ou pequena indústria é praticamente o mesmo, mas uma grande traz a reboque as pequenas. O olhar deve se voltar para grandes empresas que possam se beneficiar com a proximidade com nossas atuais empresas.

Foco, inteligência e estratégia

Não se nega que já existe um esforço dos setores públicos e privados neste sentido, mas é preciso triplicar os esforços e acionar o modo ‘executar’. Quem precisa de emprego tem pressa