Conversa com o presidente

188
21 de Setembro de 2018

A opção pela participação política

Todas as grandes decisões estão no campo político. Não há como influenciar, transformar, aprimorar o jogo democrático ignorando a política.

É este pressuposto simples que move a ACIL e as principais entidades da região além das suas atribuições prioritárias – atender da melhor forma nossos respectivos quadros associativos. Temos outros compromissos com a sociedade e, julgamos que uma delas é diminuir a distância entre os propósitos da classe dirigente dos nossos anseios.

Associados, é preciso entrar em campo.

A eleição geral de 2018 é um momento decisivo para o País.

Os resultados do pleito vão definir nosso potencial de reação diante de um quadro extremamente adverso.

Encalacrada em uma longa crise econômica, ainda pouco remediada pelo poder público, a sociedade brasileira tem uma oportunidade de atacá-la nas urnas a partir da escolha certa de homens e mulheres.

É por isso que estamos nos empenhando, participando de atos de campanha de muitos candidatos, falando sobre nossas propostas fundamentais para a melhoria do ambiente socioeconômico.

As entidades estão recebendo candidatos a presidente, governador, senador e a deputado federal e estadual, alertando sobre cada uma das nossas preocupações para o novo ciclo administrativo.

Além do Manifesto Empresarial, lançado no ano passado e que defende uma agenda reformista e um novo desenho do Estado, as conversas tem girado sobre a manutenção de um canal permanente de debate entre os gestores públicos e a sociedade em questões como infraestrutura e desburocratização.

Também estamos pedindo apoio em todos os diálogos para consolidarmos o planejamento do nosso ecossistema de inovação, para a modernização da segurança pública e para os novos dispositivos de controle de gastos nas três esferas.

Para os eleitores, construímos a ação “Melhor Pra Nós”, campanha cívica que chama a atenção para nossa perda de representatividades nos parlamentos em Curitiba e Brasília. É uma forma de conscientização para que o cidadão pondere sobre a biografia dos candidatos, suas condutas e seus envolvimentos e compromissos com a região.

Uma participação mais ativa neste processo eleitoral há de gerar bons frutos, demonstrando que a independência das nossas articulações junto aos candidatos é muito melhor que o comodismo do afastamento protocolar.

Até a próxima,

Claudio Tedeschi

 

Frase da semana:

“Use palavras brandas e argumentos fortes”.

Henry George Bohn (1796-1884), editor inglês

Histórico

Selecione um ano e um mês: