18/03/2016 00:00:00 Entidades do Paraná se mobilizam pelo impeachment de Dilma

Fonte: Folha de Londrina

O setor produtivo do Paraná resolveu entrar de cabeça na mobilização de outros vários segmentos da sociedade civil organizada que querem a saída de Dilma Rousseff da presidência. Mais de 100 representantes de entidades do Estado decidiram em reunião realizada ontem na Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), em Curitiba, elaborar um manifesto conjunto em repúdio à nomeação do ex-presidente Lula no ministério da Casa Civil e pedindo o andamento do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Congresso Nacional. As entidades se posicionaram ainda em apoio a todas as ações de combate à corrupção em andamento no Brasil, inclusive as que estão em curso no Paraná e atingem o governo Beto Richa (PSDB), como a Operação Publicano, e pela defesa irrestrita da manutenção do Estado Democrático de Direito e dos princípios constitucionais. 
"Neste encontro, ficou clara a indignação, praticamente unânime, em relação ao que está acontecendo em nosso País", afirmou o presidente do Sistema Fiep, Edson Campagnolo. "Uma indignação contra tudo o que estamos presenciando em assuntos de ordem política, de ética e de valores, especialmente pela questão da corrupção", completou. 

Ele ressaltou que a insatisfação das entidades com o cenário político brasileiro cresceu ainda mais após as revelações da última quarta-feira sobre os bastidores da nomeação de Lula na Casa Civil. "Está muito claro que o objeto dessa nomeação é justamente obstruir o trabalho da Justiça. Mais de 6 milhões de pessoas foram para as ruas no dia 13 de março mostrar sua indignação. Ao invés de a presidente ouvir a população, respondeu com uma medida como essa", disse. 

Sobre o pedido de impeachment da presidente Dilma, Campagnolo explicou que as entidades apoiam o andamento do processo no Congresso Nacional, desde que respeitados todos os aspectos legais e constitucionais. E também defendeu que ela deixe o cargo. "Que a presidente Dilma ou tome a iniciativa de uma demissão voluntária, ou então estaremos apoiando, dentro do Congresso Nacional, sua saída devido a esses últimos acontecimentos", declarou o presidente do Sistema Fiep. 

Além disso, as entidades pedem o fim da corrupção no País. "Declaramos apoio ao combate à corrupção em todos os níveis, seja pela operação Lava Jato, seja por outras operações em andamento, inclusive aqui no estado do Paraná. Refutamos a corrupção, defendemos que a Justiça seja feita e os culpados sejam punidos", afirmou, se referindo à Operação Publicano, que investiga corrupção na Receita Estadual e que inclusive provocou a autorização, por parte do Superior Tribunal de Justiça (STJ), da investigação em cima do governador Beto Richa (PSDB), já que um dos delatores presos na operação, o auditor fiscal Luis Antônio de Souza, disse em depoimento que parte do dinheiro arrecadado com cobrança de propina na Receita serviu para abastecer o caixa 2 da campanha de Beto à reeleição ao governo. 

O manifesto das entidades deve ser publicado nos principais veículos de imprensa do Paraná até este fim de semana. Além disso, elas pretendem formar um grupo de lideranças para ir até Brasília e entregar o documento a todos os parlamentares da bancada paranaense no Congresso Nacional. A realização de outras ações de mobilização também está sendo estudada. 

Acil
A Associação Comercial e Industrial de Londrina (Acil) também está se mobilizando em defesa do impeachment de Dilma Rousseff. A entidade convocou lideranças da sociedade civil organizada da cidade para uma reunião hoje, às 11 horas, em sua sede, para discutir detalhes de uma grande articulação empresarial no dia 22 pela saída da presidente.