31/03/2016 00:00:00 Entrevista: "Me programei para ser prefeito por quatro anos"

Fonte: Susan Naime - Revista Mercado em Foco - ACIL


Quando se lançou candidato a prefeito de Londrina, Alexandre Lopes Kireeff
amargava na quinta colocação das pesquisas eleitorais e não ultrapassava mais que 3% das intenções de voto. Era um rosto desconhecido para a grande massa popular do município. Hoje, sua página no Facebook coleciona cerca de cinco mil amigos e mais de cinquenta mil seguidores, sendo, certamente, uma das mais movimentadas de Londrina, com milhares de curtidas e centenas de comentários e compartilhamentos. Em seus últimos nove meses como chefe do Executivo, Kireeff deseja concluir etapas de projetos que desenvolvam Londrina e otimizar áreas como Segurança, Saúde e Educação. Se ele vai se candidatar à reeleição? Confira abaixo na entrevista que a Mercado em Foco preparou pra você.


Mercado em Foco: Em 2016 temos um cenário de crise na economia, mas movimentado na política devido ao ano eleitoral. Neste quadro, quais dificuldades e saídas o senhor tem encontrado na gestão financeira de Londrina?

Alexandre Kireeff: A elaboração do orçamento que está sendo executado este ano foi iniciada em fevereiro de 2015. Evidentemente, aquilo que foi desenvolvido e planejado naquela época é diferente do que encontramos hoje. Estamos em um cenário de recessão grave, em decorrência da diminuição da atividade econômica, e a perspectiva de arrecadação é mais modesta, o que exige do Município a devida compensação sob o ponto de vista dos gastos. É por isso que iniciamos o ano com contingenciamento de 30% das despesas nas secretarias e estabelecemos metas de horas extras em todas as pastas para garantir o controle das despesas e acompanhar o comportamento das receitas, já que as expectativas são reservadas.


Mercado em Foco: Quais as prioridades do seu governo para 2016, visto que se trata do último ano deste mandato?

Alexandre Kireeff: As prioridades estão impressas no próprio orçamento deste ano, como a ampliação importante na área da Saúde, passando de R$ 530 milhões, além de superar R$ 300 milhões para a Educação. Já em relação a investimentos, daremos continuidade à ampliação do Aeroporto, à implantação da Cidade Industrial de Londrina (Cilon), ao Superbus e ao Arco Leste. Dessa forma, completamos os investimentos de infraestrutura estratégica para Londrina.


Mercado em Foco: Vamos falar sobre o Aeroporto. Neste ano, até onde será possível avançar na obra que idealiza a sua reforma?

Alexandre Kireeff: Em 2016 cumpriremos integralmente o cronograma referente às desapropriações de áreas. Acredito que após esta etapa o ILS deverá ser instalado.


Mercado em Foco: E o Cilon?

Alexandre Kireeff: O processo deve ser encaminhado à licitação para implementação da infraestrutura, também dentro do cronograma. A meta é estar em condições de iniciar as licitações das áreas a partir de 10 de dezembro de 2016.


Mercado em Foco: As obras do Arco Leste também são bastante aguardadas, já que permitirão o desvio do tráfego, que hoje congestiona a área urbana especialmente na região da Avenida 10 de Dezembro. Como está a execução destas obras?

Alexandre Kireeff: As ordens de serviços dos primeiros trechos já estão sendo dadas. O Arco Leste está dentro do projeto que lançamos em fevereiro de 2013, que englobava a duplicação da Rua Angelina Ricci Vezozzo, já concluída; a extensão da Avenida Saul Elkind até Ibiporã, também já concluída; a complementação da Saul até a PR-445; a extensão desta mesma avenida até a Zona Leste através da Avenida Antônio Carvalho Lage, já concluída; e a duplicação da Rodovia Mábio Gonçalves Palhano, que é uma das pontes comprometidas pela chuva. Agora, executaremos o Arco Leste.


Mercado em Foco: Londrina tem um problema sério de mobilidade urbana. São novos veículos todos os dias circulando pelas vias, além da resistência da população em utilizar o transporte coletivo. A implantação do Superbus modificará esta cultura?

Alexandre Kireeff: Eu acredito que sim. E não falo apenas do Superbus. Os próximos veículos que forem incorporados em nossa frota virão no mesmo modelo – são muito mais confortáveis, com ar-condicionado, motorização traseira e Wi-Fi free. Será um outro padrão de qualidade. Se não for assim, o usuário do automóvel não migrará para este veículo. Também não tenho dúvidas de que a introdução do passe livre universalizado criará a cultura da utilização do transporte coletivo para as novas gerações. A própria implantação das canaletas exclusivas e os novos pontos de ônibus, mais confortáveis, tornarão este transporte mais atrativo. Ambos serão implantados neste ano.


Mercado em Foco: Tivemos um início de ano pesado no que diz respeito à Segurança Pública. Que medidas serão tomadas de imediato?

Alexandre Kireeff: Em termos de homicídios, a curva é decrescente. Em 2012, Londrina registrou aproximadamente 120 homicídios, enquanto em 2015 foram 55, apesar dos números de janeiro deste ano acenderem a luz de alerta. Por outro lado, o crime ao patrimônio ainda não está em condição adequada e isso vai ser objeto das nossas atenções. Em parceria com a Polícia Militar, já estamos traçando estratégias para diminuir esse tipo de ocorrência. O roubo e o furto, em especial no comércio de Londrina, precisam ser enfrentados.


Mercado em Foco: A doação de terrenos públicos foi uma medida adotada durante seu governo. Esse é o melhor caminho para atrair mais empresas e indústrias para Londrina?

Alexandre Kireeff: A doação de terrenos públicos foi uma iniciativa emergencial para garantir que empresas instaladas aqui não fossem embora, e outras empresas que prospectavam áreas em Londrina não fossem seduzidas pelos municípios vizinhos. Com essa etapa do Cilon, o cenário já se modifica. Partiremos para a venda de terrenos financiados por longos períodos e ofertas de infraestrutura adequada. A mudança do marco regulatório foi uma medida importante porque torna nossa cidade mais amigável ao empresário, assim como a aprovação do Plano Diretor, que garante zoneamentos industriais. Também podemos citar, como medidas para desenvolver Londrina, a incorporação da Zona Oeste ao Gasoduto, a ampliação do Aeroporto e o Terminal de Cargas (Teca). É preciso haver infraestrutura, como parques industriais, energia – tanto elétrica como alternativa – e água. Vale lembrar que existe um acordo com a Sanepar para garantir a distribuição de água para as atividades industriais. É preciso ter acesso a São Paulo e a Curitiba. Mas, não tenho dúvidas, nosso grande eixo de desenvolvimento se dará com a duplicação da PR-445.


Mercado em Foco: Durante 2015, o senhor disse que não era hora de falar em reeleição. Chegamos a 2016, ano eleitoral. Afinal, o senhor deve se manifestar na condição de pré-candidato?

Alexandre Kireeff: Eu ainda não me decidi. Me programei para ser prefeito por quatro anos. Também preciso avaliar minha vida pessoal, que deixei de lado por este período. Eu tenho uma atividade empresarial. A decisão de disputar uma reeleição me torna um político – definitivamente, é uma mudança de vida. Mas cabe lembrar que o fato de disputar uma eleição não significa que você vai ganhar.


Mercado em Foco: O senhor almeja o governo do Estado?

Alexandre Kireeff: Eu não tenho essa ambição, mas fui convidado para disputar o cargo. Minha causa hoje é terminar esses quatro anos como prefeito de maneira adequada. Eu não sei o que vai acontecer lá na frente, mas estabelecer um projeto ambicioso e planejado para me tornar governador, é algo que jamais farei. Agora, se um dia eu tiver a possibilidade de disputar uma eleição para governador, dificilmente deixarei de participar.