14/01/2016 00:00:00 Rede de Imóveis pode organizar setor em Londrina

Fonte: Susan Naime - Revista Mercado em Foco - ACIL


Atentos às necessidades e exigências do mercado, empresários locais do ramo imobiliário querem criar a Rede de Imóveis de Londrina. A discussão, iniciada em 2010, voltou a ganhar corpo com o lançamento, em novembro último, do Núcleo de Imobiliárias da ACIL, que compõe o programa Empreender. A Associação Comercial oferece gratuitamente esse serviço, cujo intuito é unir profissionais de um mesmo setor para identificar os problemas no segmento e traçar um planejamento estratégico que estruture o negócio.

“Quando fomos procurados por essas empresas do setor imobiliário, enxergamos um grande potencial de crescimento aliado ao acompanhamento do programa, mostramos que há muito trabalho para ser realizado e entendemos a importância da rede de negócios para este importante segmento”, destaca a analista de Negócios da ACIL, Valéria Sitta.

Para o grupo de imobiliaristas, ter uma Rede de Imóveis em Londrina aumentará a abrangência da divulgação das propriedades em um único canal – como um site, por exemplo –, além de regular os convênios entre a imobiliária e o proprietário. “Quando você trabalha em rede, gera mais negócios, fortalece a confiança com o mercado e sela o respeito com as demais empresas. O estatuto [documento legal para a constituição da rede] já está pronto, mas precisamos avançar”, ressalta o proprietário da Imobiliária Mônaco, Marcos Moura. “É importante receber esse amparo da ACIL porque, de certa forma, cada um olha para o seu umbigo. Com o Núcleo de Imobiliárias, será possível ter uma visão global do cenário”, explica.

A administradora da Imobiliária Senador, Rosemeyre Meranca Almeida Machado, tem a mesma opinião. “A Rede não vai apenas unir várias imobiliárias, mas também fortalecê-las, qualificá-las e profissionalizá-las de forma individual, trabalhando em conjunto na troca de ideias, experiências positivas e negativas”, ela acredita. “Precisamos melhorar a qualidade dos serviços prestados pelas imobiliárias e oferecer ao cliente mais oportunidades de comercialização dos imóveis. E não estamos falando apenas no número de imóveis comercializados, mas na compra de materiais e contratação de serviços em geral”, destaca.


O movimento também recebeu o apoio do Sindicado da Habitação e Condomínios (Secovi) de Londrina. Segundo o presidente da entidade, Nestor Correia, é inegável o ganho que a cidade terá com a criação da Rede de Imóveis. “O Secovi apoia todos os movimentos que atendam às necessidades do mercado imobiliário. A criação da Rede de Imóveis permite a aproximação das imobiliárias, melhora o nível de convivência entre essas empresas, eleva os padrões éticos na realização dos negócios e, sobretudo, a sociedade também ganha. É uma necessidade do mercado como um todo.”


Desafio

A maneira como o imóvel é comercializado pelas imobiliárias é um dos grandes problemas no ramo, segundo Rosemeyre Machado. “O ideal é que o proprietário contrate uma única imobiliária para fazer a divulgação do seu imóvel e não o ofereça para várias empresas, como ocorre com frequência no mercado. Na Rede de Imóveis teremos um grupo inteiro trabalhando na mesma divulgação de forma leal. Haverá um acordo prévio entre as imobiliárias, e teremos mais força para negociar valores e mídia, por exemplo. Mas precisamos que as empresas participem.”

Marcos Moura, da Imobiliária Mônaco, concorda: “Hoje, o imóvel fica em várias imobiliárias. Para o mercado, isso é muito ruim, já que cada empresa pode fazer um tipo de avaliação daquela propriedade”.

Segundo o vice-presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci), Rosalmir Moreira, a exclusividade do contrato não é obrigatória, mas garante segurança para a imobiliária e tranquilidade para o proprietário do imóvel. “Quando o contrato não é exclusivo, a comercialização daquele local funciona como uma espécie de leilão. A propriedade pode receber preços diferentes, ter suas características variadas, sem falar na falta de segurança devido ao alto número de pessoas que a visitam”, afirma.

Moreira lembra que cidades como Curitiba, Toledo e Maringá já trabalham com a Rede de Imóveis. Para ele, é hora de Londrina avançar. “É um conjunto de vantagens: segurança, qualificação dos participantes e ampla divulgação do imóvel”, enumera. “Queremos dar uma grande dimensão a esse grupo, com o auxílio da ACIL. Todos sairão ganhando.”

Como funciona hoje - O proprietário oferece o imóvel para diversas imobiliárias com o intuito de acelerar a comercialização. Cada uma delas avalia a propriedade de jeitos diferentes, estabelecendo características e valores desiguais para o mesmo espaço – o que prejudica o negócio e o mercado imobiliário como um todo.


O que diz o Creci - De acordo com o Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci), uma única imobiliária deveria ter a autorização para comercializar o imóvel com exclusividade.

Como seria após a criação da Rede de Imóveis - O proprietário que tiver interesse na locação ou venda do seu imóvel poderá contratar apenas uma imobiliária. As outras empresas filiadas à Rede de Imóveis terão acesso a essa propriedade para oferecê-la aos seus clientes, através de um convênio estabelecido. 


Empreender

A proposta do programa Empreender é unir empresários de um mesmo setor, tornar parceiros os que antes se viam como concorrentes e buscar soluções para problemas comuns. Para que seja possível organizar cada segmento, a ACIL divide os grupos em núcleos setoriais – afinal, ninguém melhor que o próprio empresário para falar sobre o ramo no qual atua e apresentar suas dificuldades. Os membros do novo núcleo participam de reuniões, acompanhados por um consultor mediador. Identificados os problemas do segmento, o grupo elabora um planejamento estratégico para estruturar o negócio. “A metodologia do Empreender favorece o aprendizado. Trabalhando desta forma todos alcançam o seu objetivo sem ficar se esbarrando diariamente em problemas que seriam facilmente resolvidos através da parceria”, explica Valéria Sitta.

O Núcleo de Imobiliárias da ACIL foi criado no ano passado e reúne empresas interessadas em encontrar soluções conjuntas para aprimorar a gestão e aquecer o mercado. A ACIL propõe somar essa oportunidade ao trabalho executado por empresas, com o objetivo de buscar caminhos que levem ao desenvolvimento e crescimento. O grupo é acompanhado pela mediadora Cleufe Almeida. Ela explica: “O mercado e a crise econômica são pontos comuns dessas empresas. É preciso entender os clientes, como se dá a visibilidade dos imóveis em Londrina e, obviamente, saber enfrentar a inadimplência e a desvalorização dos estabelecimentos, por exemplo. É um trabalho contínuo”.


Serviço da ACIL reduz burocracia

Os meses de janeiro e fevereiro costumam ser de trabalho intenso para as imobiliárias – é quando a procura de estudantes universitários por imóveis cresce consideravelmente e o mercado fica aquecido. A correria também se deve à transação burocrática que os contratos imobiliários exigem. Antes da formalização, seja para quem compra ou vende, é essencial buscar documentos que confirmem informações para garantir mais segurança ao negócio. Dependendo dos meios recorridos, essa busca pode adiar – e até interromper – todo o processo.

Na ACIL, o Fácil Imobiliário, em um único documento, informa sobre consultas de SPC, cheques devolvidos em nome da pessoa ou empresa, protestos, ações judiciais e pendências financeiras. O serviço age como intermediário entre a imobiliária e o locatário, e facilita o processo de locação ou compra, já que toda a documentação exigida pelas imobiliárias é retirada em um só local. “A certidão emitida traz benefícios para os dois lados porque simplifica todo o processo e garante segurança”, afirma o executivo comercial da ACIL, Sandro Moda. “Também é uma excelente opção para os fiadores avalistas. Se alguma restrição for detectada, o trâmite é interrompido. Isso diminui custos, evita desgastes e constrangimentos, e ainda poupa tempo de quem quer comprar, alugar ou vender um imóvel”, ele acrescenta.

Serviço – Para obter mais informações sobre o Fácil Imobiliário, entre em contato com a ACIL pelo telefone (43) 3374-3000.