29/07/2014 00:00:00 Artigo: A Londrina de ontem e a de hoje

Fonte: Folha de Londrina

Nos últimos oito anos, tenho participado, como representante da Sociedade Rural do Paraná, de muitas reuniões em Londrina. A pauta, na maioria das vezes, gira em busca de alternativas e sugestões para o desenvolvimento da região. Também procuramos entender e estimular a gestão pública da cidade. Recentemente, perguntei aos presentes a uma dessas reuniões, a maioria também representantes de entidades de classe, o que conseguimos conquistar para a cidade nos últimos 15 anos? Eu mesmo respondi: "Muito pouco".

Procurei, então, fazer algumas comparações da Londrina de antes e a de hoje, sem identificar os idealizadores e nem culpados. Começo pela reunião do Conselho de Administração do Iapar, realizada em julho, da qual participei. Disse ao presidente do Iapar, Florindo Dalberto, que hoje, dificilmente, conseguiríamos instalar em Londrina o instituto, que foi uma grande conquista para a região e para o agronegócio brasileiro, um patrimônio científico e de alto valor comercial.

Aí, comecei a pensar: antes tínhamos o VGD e conseguimos construir o Estádio do Café com capacidade para 45 mil pessoas. Hoje, não conseguimos fazer a devida manutenção, contribuindo com imagens negativas da cidade em rede nacional.

Antes, conseguimos construir o Autódromo Ayrton Senna e tínhamos a Stock Car, Fórmula Truck, Gran Turismo. Hoje, o autódromo está em más condições de apresentação. Antes, conseguimos construir o Moringão e manter times de basquete, vôlei, handebol e futsal. Hoje, o nosso ginásio vive no esquecimento.

Antes, conseguimos construir um bonito e funcional Terminal Rodoviário, megaprojeto de destaque nacional. Hoje patinamos para tampar as goteiras e fazer uma pintura. Antes, conseguimos construir o prédio sede da prefeitura. Hoje não conseguimos realizar os mínimos reparos necessários e uma pintura decente para bem receber empresários e investidores que nos visitam.

Antes, conseguimos idealizar e construímos o Lago Igapó, nosso cartão postal, hoje totalmente assoreado e com poucos cuidados. Antes, construímos e tivemos o nosso aeroporto como o terceiro mais movimentado em pousos e decolagens do Brasil. Hoje estamos tentando, há anos, conseguir as melhorias necessárias para o desenvolvimento da região.

Antes, conseguimos desviar a linha férrea do centro. Hoje nada evolui na Avenida Leste-Oeste, onde existem vários pontos de prostituição e drogas. Antes, empresários conseguiram construir o bonito e funcional Shopping Catuaí. Hoje demoramos cinco anos para fazer um viaduto de acesso a ele e ainda não conseguimos ligar as duas pistas da Ayrton Senna.

Antes, construímos e já reformamos a Catedral. Hoje, seu entorno, incluindo a praça e o Bosque, é uma imagem deprimente para Londrina e até de risco à saúde.

Enquanto isso, vemos, próximo a nós, uma importante cidade do Norte do Estado construir um novo aeroporto com capacidade até para cargas; fazer o rebaixamento da via férrea, onde já surgiram carreiras de prédios de cada lado da avenida; e ainda, em três anos, construir 15 quilômetros do Contorno Norte, com pista dupla e 24 viadutos.

A gestão pública precisa entender que manutenção é tão importante quanto investimento. Representa economia nos gastos, melhora a eficiência dos serviços, e a boa aparência conquista e estimula simpatizantes para a cidade.

Eu me orgulho de ser brasileiro, paranaense e poder morar em Londrina. Salve a nossa pequena Londres. Eu ainda acredito.

MOACIR N. SGARIONI é presidente da Sociedade Rural do Paraná