11/01/2016 00:00:00 Comunicação corporativa: uma reflexão sobre nossas organizações

Fonte: Marlene Marchiori - Revista Mercado em Foco - ACIL


Em organizações, em família, em encontros, nas mais diversas e inusitadas experiências de vida, somos seres que se comunicam. Portanto, somos seres relacionais. Isso quer dizer que, em qualquer desses ambientes, vivemos continuamente relações com outros sujeitos. Para convivermos em sociedade, precisamos aprender a ouvir, a respeitar a opinião do outro e a compartilhar. Aprendemos que construir de forma coletiva pode proporcionar crescimento e novas realizações.

Essa reflexão sobre COMUNICAÇÃO nos leva a questionar o ambiente das ORGANIZAÇÕES e é sobre essa relação de valor que escrevo a respeito de comunicação corporativa. Entendemos comunicação corporativa como um instrumento que pode colaborar no processo de construção da identidade (quem somos) e da imagem organizacional (como somos vistos). Estamos falando sobre a necessidade de olhar primeiramente para o ambiente interno, ou seja, relacionamentos com empregados e relações entre líderes e liderados, e não apenas com o Presidente. Essa atenção é fundamental e dependemos dela para outras realizações empresariais. Segue a busca e a determinação de relações com inúmeras outras audiências, como, por exemplo, imprensa, comunidade, governo, acionistas, líderes de opinião e outras tantas que podem ajudar a construir ou a destruir a reputação das organizações. É preciso, no mundo contemporâneo, reconhecer as divergências que se manifestam de diferentes formas nas organizações, indo além da perspectiva informacional como estratégia. Isso significa ampliar os espaços de diálogo e não instrumentalizar os processos organizacionais.


Comunicação informacional: é a comunicação na visão mecanicista, de uma única via. A comunicação é usada comoferramenta, um canal para influenciar a eficácia do trabalho emelhorar o feedback. É uma tarefa que algum membro da organização deve executar, garantindo adequação e transmissão precisa. Nesse sentido, as organizações mantêm suas audiênciasinformadas e a preocupação centra-se em transmitir mensagens, ou seja, apenas emiti-las.

Comunicação interacional: é a comunicação na qual há troca –ora sou emissor, ora receptor. São sujeitos em relações. Por meio do diálogo, os sujeitos podem simbolizar e atribuir significados a eventos e objetos, dando sentido ao mundo em que vivem. Eles o fazem quando vivenciam e participam de realidades, agindo como mentores desses processos. Aqui, organizações são compreendidas como fenômenos interativos. A comunicação é processual, e, portanto, contínua – não tem início, meio ou fim.

Desafios para as organizações

Organizações precisam de inovações. A renovação é um processo de conscientização para a necessidade de mudar. Quando uma atitudenão faz mais sentido na organização, não tem significado para os sujeitos e não mobiliza as pessoas para um novo estágio de desenvolvimento, há a consciência natural para a mudança. Organizações precisam aprender a se desafiar. Comunicação entre sujeitos as transforma em realidade social constituída, valorizada, e reconhecida e, portanto, capaz de promover novos conhecimentos. Somos seres que precisam encontrar sentido no desenvolvimento de nossas ações.

Se entendermos as organizações como locais de geração de conhecimento, vislumbramos mudança. Aprendemos a olhar mais facilmente para as questões que deixam de ter valor e que precisam de novos direcionamentos. É nesse contexto sócio-histórico que observamos sujeitos autênticos, com autonomia para perceber, criar e instigar transformações.

Falar em identidade organizacional significa falar em cultura como aperfeiçoamento, enriquecimento do homem. Nesse sentido, comunicação é construção de significado e inter-relação. Essa é acomunicação corporativa que defendemos, aquela que transacionae que constrói realidades.