12/08/2014 00:00:00 Vendas no comércio caem 4,35% em junho no Estado

Fonte: Folha de Londrina

As vendas no comércio paranaense registraram queda de 4,35% em junho ante o mesmo mês do ano passado, segundo a Pesquisa Conjuntural divulgada ontem pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio-PR). Londrina teve o segundo melhor resultado, com redução de 1,35%. 

A expectativa de que a Copa do Mundo poderia influenciar positivamente os negócios em alguns segmentos não se concretizou e derrubou os índices no acumulado do ano. O Paraná fechou o primeiro semestre com apenas 0,48% de aumento em relação ao mesmo período de 2013. Londrina teve o pior desempenho no comparativo, com queda de 3,05%. A Fecomércio usa informações fornecidas por contadores de uma amostra de empresas, com atualização pela inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). 

Para o presidente da Fecomércio-PR, Darci Piana, o resultado positivo no semestre se deve apenas aos três primeiros meses do ano. Ele diz que, por mais que as previsões de paralisações por jogos da Copa diminuiriam as vendas, os efeitos foram piores do que os esperados. "A redução não poderia ter sido dessa magnitude, que é fruto dessa queda que já vem desde abril", diz, ao lembrar que o cenário de taxas de juros e inflação mais altas, restrições ao crédito e endividamento espanta o consumidor. 

O diretor comercial da Associação Comercial e Industrial de Londrina (Acil), Fernando Moraes, diz que o mesmo resultado ruim de junho deve ser visto em julho, quando houve Copa por 13 dias. "Os comerciantes terão de ajustar os custos fixos e frear investimentos para se adequar", sugere, ao completar que, se o setor fechar o ano com estabilidade ante 2013, já será algo positivo para a cidade. 

Moraes acredita que não devem ocorrer demissões no setor, mas que as contratações de temporários para o fim de ano não serão tão aquecidas quanto nos últimos anos. Conforme a Fecomércio-PR, o nível de emprego se manteve praticamente estável em junho ante maio, com redução de 0,5%, e a folha de pagamento teve aumento de 2,04%. 

Queda livre
As vendas em junho despencaram 8,12% em relação a maio no Estado e 10,57% em Londrina. Moraes lembra, porém, que maio é mês de Dia das Mães e que é normal que ocorra queda em junho. 

Segundo a Fecomércio-PR, alguns ramos já vinham com quedas significativas antes da Copa, como as concessionárias de veículos (-19,59%) e autopeças (-11,72%), impactados pelo cenário menos atrativo para o consumidor. Em Londrina, as revendas tiveram queda de 19,38% no semestre ante o mesmo período de 2013, a maior entre os grupos pesquisados pela entidade. Em contrapartida, as farmácias tiveram alta de 14,91% no mesmo comparativo, a maior no comércio local. 

Chefe do departamento de economia da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Renato Pianowski diz que houve pequenos avanços como a desoneração da folha de pagamento e a extensão do regime tributário Simples Nacional ao comércio, o que ajuda a reduzir os custos, mas é pouco. "O governo novamente discute estimular o consumo, quando deveria estimular a produção, diminuindo gargalos estruturais." 

Pianowski não crê em mudança no segundo semestre, mas cita que reformas como a tributária terão de ser feitas em 2015, de qualquer maneira, por quem vença a disputa nas urnas. "A economia precisa de uma injeção de ânimo com ações, e não somente com conversa."