21/01/2016 00:00:00 Revista ACIL: Cintec e a força do associativismo

Por Pauline Frank de Almeida

Pesquisa do governo do Estado já identificava, uma década atrás, um grande número de empresas de tecnologia da informação e comunicação no eixo Cornélio Procópio-Apucarana. Dados mais recentes, de 2014, mostram um cenário ainda melhor: atualmente, apenas Londrina concentra 1,2 mil empresas com 14 mil empregos no setor, pontos que a fortalecem como “Cidade Genial”.

Número tão relevante de empresas poderia gerar uma verdadeira guerra de competitividade, mas a cidade é genial por outros motivos – um deles é o associativismo. Foi devido a essa característica que, em 2008, um grupo de onze empresas resolveu criar a Central de Inovação, Desenvolvimento e Negócios Tecnológicos (Cintec), a primeira do setor no Brasil. Com associativismo e pioneirismo, a Cintec cresceu – e hoje conta com mais de 50 associados, que mostram que a união gera negócios e diminui custos.


Comprar e vender

O Arranjo Produtivo Local (APL) de Tecnologia da Informação surgiu com a missão de criar iniciativas que permitam a integração de atores, o desenvolvimento de inovações tecnológicas e o acesso a novos negócios. O movimento gerado a partir do APL deu resultado – os negócios realmente vieram. Mas era preciso ter um CNPJ, se transformar em uma entidade jurídica que desse vazão aos pedidos do mercado. Dessa necessidade prática surgiu a Cintec.

A Central inicialmente auxiliou os associados nas compras, como negociação de veículos, ticket refeição, seguro de vida, planos de saúde e odontológico. A união de diversas empresas possibilitou a contratação dos serviços por preços menores. O foco da Cintec, no entanto, é a geração de negócios, como destaca o presidente da Central, Ronaldo Couza.

Proprietário da empresa Mac-IP, Couza iniciou as atividades no APL por acreditar na força do associativismo e viu sua empresa crescer por meio de parcerias possibilitadas pela Cintec. “Entrei por conta da geração de negócios, para fazer networking. Sou [dono de] uma empresa pequena. Não que eu não vá sobreviver, mas com outras empresas ganho força. Se fosse atender uma grande empresa, talvez não eu conseguiria sozinho. Mas com a Cintec, crio parcerias, que vêm acontecendo muito”, ressalta o empresário.

Se a princípio partilhar informações com outras empresas do ramo pode trazer temor, a integração do ecossistema da tecnologia da informação e comunicação em Londrina com empresas, universidades, organismos de capacitação e órgãos públicos faz com que o empresário vença a desconfiança.


Benefícios

Os benefícios para os associados e para quem busca um serviço oferecido pela Cintec são claros. Se a sua empresa precisa de um hardware, software, rede ou qualquer outra solução tecnológica, é possível economizar tempo e dinheiro no contato direto com a Central, que coloca o cliente em diálogo com diversas empresas ao mesmo tempo. A Central avisa sobre a possibilidade de negócio, apresenta opções ao cliente e controla a qualidade do serviço oferecido pela empresa associada.

Através do Sebrae, Emerson Roberto Veduvoto, proprietário da Oxicare, empresa de comércio e locação de equipamentos médicos e hospitalares, recorreu à Cintec. “Eu precisava de um serviço de rastreabilidade que atendesse às minhas necessidades”, conta ele. “Por meio da Cintec, fechei um contrato de software e de um aplicativo. Fiquei bastante satisfeito e indicaria, com certeza, o serviço.”


Diálogo e integração: os diferenciais

Uma das fundadoras da Cintec e proprietária da Guenka, a professora da Universidade Estadual de Londrina (UEL) Jandira Guenka acredita que o município tem um diferencial bastante importante para o futuro do setor de Tecnologia da Informação: a capacidade de integração de diversas empresas em diálogo com poder público, instituições de ensino e outros atores. “A gente nota que essa integração entre empresas e universidades, por exemplo, já levou ao surgimento de projetos. Uma coisa bastante importante foi a Lei de Inovação”, ressalta.

Esta lei garante financiamento da Prefeitura de Londrina a projetos de inovação tecnológica e científica para transformar empresas locais em referência. A demanda surgiu das próprias empresas e tomou corpo por meio da interação com entidades e poder público.

Uma das parcerias de destaque da Cintec é com a ACIL, hoje casa da Central. A ligação íntima com a entidade ajudou a dar credibilidade à Cintec. A ACIL, segundo o superintendente Diego Menão, aposta no setor de TI e Comunicação para o desenvolvimento de Londrina.

“Perceber um setor com esse tipo de organização nos faz acreditar que é possível caminhar também com outros segmentos”, afirma Menão. “Estamos falando de girar a economia local. O trabalho bem feito da Cintec faz com que as empresas locais se desenvolvam, sejam atualizadas em termos de tecnologia e faz o dinheiro permanecer em Londrina.”

Para o futuro, a Cintec quer investir em projetos através da captação de recursos de editais. Também abrirá a possibilidade de associação para empresas do setor criativo e intensificará o contato com outros arranjos produtivos e entidades, provando ser possível encontrar serviços de tecnologia em Londrina com qualidade e preço justo.

SERVIÇO – As portas da Cintec estão abertas a novos associados. Interessados podem procurar a sede da ACIL, no Centro de Londrina. Mais informações: (43) 3323-0043.



TIRA-DÚVIDAS

Para quais setores a Cintec oferece soluções de tecnologia?

Todos! TI e Comunicação são segmentos que perpassam todos os ramos do mercado, como varejo, indústria e área médica.

Quais os tipos de serviços que ela presta?

Soluções para web, mobile, desktop e cloud (nuvem).



COMO FUNCIONA


  1. Cliente passa demanda para a Cintec;

  2. Cintec encaminha para os associados no mesmo dia;

  3. Associados têm dois dias para se manifestar sobre propostas;

  4. Cintec faz ponte entre empresas e cliente;

  5. Cliente escolhe a empresa;

  6. Cintec faz análise do fornecedor e do cliente para garantir qualidade.