27/10/2014 00:00:00 Com Dilma reeleita, PT fatura quarto mandato

Fonte: Gazeta do Povo com Agência Estado

Dilma Rousseff (PT) venceu a eleição presidencial mais disputada, difícil e inesperada desde a redemocratização do País. Ela bateu o candidato Aécio Neves (PSDB) conquistando 51,6% dos votos válidos, contra 48,3% dados ao tucano.

O pleito de 2014 foi temperado com tragédia e reviravolta: a morte de Eduardo Campos em um acidente aéreo, a comoção e o tsunami eleitoral pró-Marina Silva (PSB), a virada de Aécio Neves (PSDB) e, por fim, a recuperação da petista na última semana antes da votação. Em seu primeiro discurso, ontem, como presidente reeleita, Dilma disse que o momento é de “chamamento à paz e à união” e que pressupõe, em primeiro lugar, abertura e disposição para o diálogo. “E é este o meu primeiro compromisso do segundo mandato: diálogo”, disse.

Com a vitória, Dilma é a terceira presidente reeleita democraticamente no Brasil. Com ela, o PT ruma para seu quarto mandato consecutivo. Ao final de 2018, o partido terá governado o Brasil por 16 anos, período de continuidade sem igual na história política brasileira e pouco comum nas democracias consolidadas – nos Estados Unidos, por exemplo, o mesmo partido não consegue emplacar três mandatos consecutivos desde 1909, quando os republicanos venceram a terceira disputa seguida contra os democratas.

“Ideias novas”

Além de tentar resgatar a confiança em torno da economia brasileira, promover um novo ciclo de desenvolvimento e aprofundar conquistas sociais, a presidente reeleita Dilma Rousseff vai dedicar o segundo mandato a implantar uma série de medidas anunciadas no horário eleitoral como "ideias novas".

A maioria delas, no entanto, são ideias repaginadas, que já haviam sido prometidas na primeira eleição de Dilma, foram anunciadas pelo próprio governo antes da campanha eleitoral, já estão em tramitação no Congresso ou se encontram em fase inicial de implantação.

O caso mais emblemático de "ideia nova" reciclada é a promessa de implantar uma reforma política no País, compromisso que já constava no programa de governo lançado na campanha de 2010.

O "Banda Larga Para Todos" é outro compromisso repaginado que Dilma tentará implantar no segundo mandato. Em 2010, o programa de governo da petista já previa a "extensão da banda larga para todo o País". A promessa, agora, de acordo com a campanha do PT, é promover uma parceria público-privada para levar fibra ótica a 90% dos municípios brasileiros, oferecendo financiamentos baratos ao setor privado.

Na área de educação, Dilma apresentou como "ideia nova" a ampliação do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) e a implantação de um eixo focado nos jovens aprendizes, medidas que já haviam sido anunciadas pelo próprio governo meses atrás.

A reforma curricular do ensino médio, outro compromisso apresentado durante a campanha, está prevista em resolução aprovada pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) em maio de 2011. Desde 2009, o Ministério da Educação (MEC) conta com o programa Ensino Médio Inovador, que apoia o desenvolvimento de mudanças curriculares. Durante a campanha, Dilma falou em "dar estímulos ao professor", mas o tema não foi aprofundado.

Novidades

Entre as ideais novas apresentadas pela presidente reeleita, estão a promessa de implantar o Mais Especialidades, que criará uma rede de clínicas e serviços especializados para o atendimento da população. A petista ainda pretende criar centros de comando e controle em todas as capitais brasileiras, replicando a exitosa experiência nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo. O objetivo é integrar a atuação da Força Nacional de Segurança, Polícia Rodoviária Federal, Polícias Civil e Militar e apoio das Forças Armadas.