05/08/2022 17:30:57 Conversa com a Presidente: Chegou a hora da flexibilização

Dois temas importantes para o empresário e a cidade de Londrina vieram à tona nesta semana: a flexibilização do horário do comércio e os vendedores ambulantes. Ambos provocam polêmica e exigem o posicionamento da ACIL. É uma discussão benéfica. Assuntos essenciais não devem ser varridos para debaixo do tapete.

A flexibilização do horário do comércio é uma reivindicação antiga da ACIL. Ninguém melhor do que o empresário para definir o horário de funcionamento do seu negócio. Existem segmentos com mais movimento à tarde ou no começo da noite. Outros, vão bem pela manhã. 

Há uma infinidade de lojas abertas 24 horas por dia em nosso bolso, no celular. As lojas de rua precisam de alternativas para enfrentar essa concorrência e corresponder aos novos hábitos de consumo, atendendo as necessidades dos empresários. 

Pela complexidade, o novo horário não precisa, necessariamente, contemplar as 24 horas. Mas deve permitir o funcionamento das empresas nos períodos em que há maior lucratividade, seguindo a legislação trabalhista vigente. Quem preferir, poderá continuar abrindo seu estabelecimento das 8 às 18 horas, sem problemas.

Da mesma forma, exigimos, junto ao poder público, uma solução para o comércio ilegal. Não queremos prejudicar ninguém, apenas cobramos a aplicação da lei. Não é justo que o empresário pague seus impostos e permaneça sujeito à fiscalização, enquanto o ambulante ilegal trabalha impunemente. Por isso defendemos a formalização e a regulamentação. As regras precisam ser cumpridas por todos, sem exceção.

São discussões difíceis, que despertam opiniões polarizadas. O debate, porém, é inadiável. Londrina não pode continuar no passado.

Marcia Manfrin, presidente da ACIL

Frase da semana: “É um defeito comum dos homens não levar em conta as tempestades quando o mar está calmo” - Nicolau Maquiavel (1469-1527), filósofo italiano.