11/10/2017 08:21:46 Corpo e mente em sintonia

Fonte: Revista Mercado em Foco - ACIL - Da Redação

A vida é cheia de acontecimentos imprevisíveis. Preocupação, tristeza, frustração e até luto. O fato é que tudo que vivenciamos ao longo da nossa existência exerce influência direta no cotidiano, nas emoções e até mesmo no corpo.

A conexão corpo e mente, as sensações e as emoções se desenvolvem a partir das nossas vivências. O corpo e a mente são indivisíveis e devem ser trabalhados em conjunto e em sua relação. A mente interfere no corpo e o corpo na mente. Os pensamentos influenciam nossa vida, o corpo e a realidade.

Não adianta uma pessoa se alimentar adequadamente, praticar atividade física e ter uma vida ativa. Cultivar pensamentos e sentimentos negativos também pode causar desconforto físico.

Da mesma maneira, uma pessoa tranquila e emocionalmente equilibrada, que exercita a mente lendo e estudando, pode adoecer se negligenciar os cuidados básicos com o físico. É preciso equilíbrio entre um e outro.

A revista Mercado em Foco coloca em pauta as doenças emocionais que, aparentemente, podem parecer inofensivas, mas na verdade são responsáveis por grande parte das doenças físicas que o ser humano desenvolve.

Para compreender e ajudar na prevenção das doenças emocionais, a reportagem conversou com a psicóloga Martina Oliveira, especialista em terapia cognitiva-comportamental. Já no começo do bate papo ela explica que é possível uma doença física desencadear ou se agravar por aspectos emocionais quando são registradas situações extremas, como momentos de estresse e tensão, principalmente no ambiente corporativo. “Isto pode enfraquecer sua resistência física e mental em certas circunstâncias, dando origem a doenças psicossomáticas. As manifestações fisiológicas resultantes do psicológico são uma forma do corpo se expressar, e quanto menos eficientes são os mecanismos mentais, mais o sistema somático será utilizado para expressar certos desequilíbrios por meio do que conhecemos por sintoma”, alerta a psicóloga.

As doenças psicossomáticas ou também chamadas de doenças emocionais são dores e reações físicas vindas da mente. Elas se desenvolvem ou se agravam a partir de problemas emocionais ou sentimentos como medo, raiva ou ansiedade, que podem provocar sintomas físicos como fraqueza, dor de cabeça, palpitação, tontura, dor abdominal, insônia, diarreia, dificuldade de engolir ou náusea.

Imagine que você tem uma reunião com seu chefe para apresentar um plano estratégico para a empresa, desenvolveu todo o projeto e se preparou para uma apresentação oral, mas um pouco antes do início da reunião você começa a ficar muito tenso e ansioso a ponto de sentir uma forte dor de cabeça. Isso acontece porque o corpo e a mente estão intimamente ligados e, quando a mente sofre, o corpo “reclama”.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), pouco mais de 90% das doenças físicas têm origem psicológica. “Toda doença humana é psicossomática [surgem a partir das emoções], pois envolve em um ser constituído de soma (corpo) e psique (mente), inseparáveis anatômica e funcionalmente”, explica a psicóloga.

A OMS define saúde como “um estado de completo bem-estar físico, mental, social e não apenas a ausência de enfermidade”. Ou seja, não basta não estar doente físico ou mentalmente, mas é preciso cultivar hábitos que estimulem uma melhor qualidade de vida.

Descobrir que uma doença física tem por trás um fundamento emocional não é nada simples, visto que a medicina busca dados físicos na hora de diagnosticar um problema. Por isso, em casos mais graves é necessário procurar um profissional específico da área.

“É importante que o paciente procure uma avaliação e tratamento de uma equipe multidisciplinar composta por psiquiatra, médico, psicólogo para uma compreensão mais aprofundada das causas do estresse e/ou da doença psicossomática”, alerta Martina.

Para ela, é inevitável fugir das emoções, mas é possível levar uma vida saudável sem deixá-las interferir de forma constante no corpo, na mente e no cotidiano.

Existem situações que facilitam o aparecimento das doenças emocionais como o desgaste profissional e a carga horária de trabalho exagerada. Por isso, é de extrema importância saber respeitar o corpo e não o esperar chegar no limite. É necessário tirar férias para repor as energias, fazer um intervalo para o almoço e não se submeter a muitas horas seguidas de trabalho.

Confira algumas dicas que ajudam na melhora da qualidade de vida

Prática de exercícios físicos
A prática de atividade física regular é muito importante, pois favorece a produção no organismo de substâncias responsáveis pela sensação de bem-estar. Caminhar regularmente pode ser uma boa opção.

Pilates
Os benefícios do pilates são inúmeros. Além do condicionamento físico essa prática trabalha a respiração ajudando a acalmar a mente e o sistema nervoso, e ainda proporciona a sensação de calmaria, equilíbrio e controle do estresse.

Dieta balanceada
É importante cultivar hábitos alimentares saudáveis! É indispensável uma alimentação saudável e balanceada que garanta a ingestão dos nutrientes necessários e evitar os excessos. Alguns alimentos como ovo, fígado, espinafre e acelga, além de serem ótimos à saúde física, podem ainda diminuir a ansiedade e o estresse

Atividades de lazer
Separe ao menos um dia da semana para caminhar no parque ou ir ao cinema, converse com os amigos e familiares, tire um tempo para você, leia um livro, assista a um filme, faça atividades que proporcionam prazer.