04/12/2019 08:26:20 Dica Empresarial: ‘Sou um defensor ferrenho de plataformas’

Fonte: Comunicação Lidere 2019

Desenvolver negócios é um processo quase que natural para Alexandre Yokoyama, que subiu ao palco Inovação no primeiro dia do Lidere 2019. A experiência de três décadas na área de tecnologia – com passagens pela Google e pela IBM – fez dele um entusiasta por big data e inteligência artificial. “Sou um defensor ferrenho de plataformas”, disse.

Em 45 minutos de fala, Yokoyama interagiu com o público em tempo real, lançando duas enquetes através do aplicativo do evento, e ainda comentou experiências de sucesso em Singapura, onde viveu durante anos.

Aliás, o tema da palestra foi “Inovação: experiências de um empreendedor na Ásia”, que começou com uma breve análise sobre as mudanças que estão impactando o mundo, norteando as tecnologias e modificando comportamentos.

“Em Singapura, a cultura é bem diferente. No mundo dos negócios, os asiáticos são um pouco mais demorados na tomada de decisões porque eles se escutam, todos participam. Isso gera um tempo maior para realizar a venda, mas o alinhamento já nasce junto com o processo”, diz.

No Brasil, Yokoyama analisa que há uma maior facilidade para fechar uma venda porque é fácil identificar o ‘decisor’. “Mas na fase de implantar fica mais difícil. Então, não tem melhor ou pior. É uma questão de cultura e de adaptação. O que eu prego é a questão de enxergar o mercado e entender aquilo que é valioso para as partes e oferecer uma solução que faça sentido para elas”, destaca.

E o caminho, segundo ele, é apostar em plataformas. “É uma das maneiras de se criar inovação porque através dela você resolve o problema de um ecossistema, pensa em múltiplos players ao oferecer um serviço e em múltiplas partes, que são aqueles que estão demandando aquele serviço.”

Um dos exemplos apresentados na palestra é a plataforma Ivideosmart, em que a equipe de Yokoyama trabalhou tanto a questão de exposição de marcas quanto o marketing de performance reunindo conteúdo de múltiplos parceiros, gerando oportunidades de monetização e renda compartilhada. O crescimento foi de 650% nas vendas, com atuação em oito países.

“A grande questão de muitos ecossistemas e startups é que muitas vezes, não conseguem gerar valor para poder dividir ou agregar, seja por função de tecnologia ou por não saber priorizar o que vem primeiro. Não há receita para inovação, mas quando você tem um lado resolvido, fica mais fácil acertar o outro”, destacou.