22/01/2015 00:00:00 Economia é apelo para uso do gás natural veicular

Fonte: Folha de Londrina

Londrina vai ganhar um segundo posto de fornecimento de gás natural veicular (GNV) até março deste ano, o primeiro da Companhia Paranaense de Gás (Compagas). O contrato foi firmado com a Petrobras Distribuidora e vai atender o posto Fokkus, situado na Avenida Tiradentes, próximo ao Parque de Exposições Ney Braga. A abertura faz parte do plano de expansão da empresa, que já fornece gás natural para clientes industriais na cidade. 

Segundo o gerente do segmento veicular da Compagas, Justino Pinho, pesquisas internas da empresa indicam um potencial de consumo pela frota já convertida para o GNV na região e também por um potencial de conversões de novos veículos. Pinho defende que o mercado de gás natural ainda tem muito a crescer, especialmente pelas vantagens ambientais e econômicas do uso do combustível. 

"Com o aumento do preço dos combustíveis líquidos, o GNV torna-se ainda mais vantajoso, principalmente para os frotistas e pessoas que rodam muito. Esperamos que o diferencial do custo-benefício seja um atrativo para que mais pessoas façam a conversão dos seus veículos", declara. Pinho estima que cerca de 30 mil veículos utilizem o combustível gasoso, atualmente, no Paraná. 

Em Londrina e região, a frota de veículos convertidos deve chegar a três mil automóveis, na previsão de Amadeu Moreira Bernini, gerente do posto Gastech, pioneiro no fornecimento de gás natural veicular na cidade. O gerente conta que a ideia de comercializar o combustível surgiu no ano 2000, mas se viabilizou apenas em 2007, em parceria com a Gaslocal – que integra um consórcio com Petrobras e White Martins. 

O posto recebe o gás na forma líquida e promove a regaseificação em Londrina, processo que compreende um alto investimento em equipamentos e armazenamento. Acreditando na ampliação desse mercado, a empresa se prepara para oferecer novos serviços, como o processo de conversão dos veículos. "A abertura da oficina própria vai contribuir, vamos fazer conversão e manutenção e também o reteste do cilindro, que precisa passar por uma inspeção a cada cinco anos", revela. 

Sustentável

A queima do GNV é considerada uma das mais limpas, praticamente sem emissão de monóxido de carbono, por não possuir enxofre em sua composição. Para incentivar o uso do combustível, o Governo do Paraná concede descontos na alíquota do Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), que subiu para 3,5%, mas se mantém em 1% para veículos que usam o GNV. Para Bernini, a abertura de um novo posto de fornecimento em Londrina vai contribuir para a divulgação do combustível entre a população. 

"Vejo com bons olhos, acho que vai movimentar e dar visibilidade ao setor. Falta muita informação, tem gente que não sabe que tem gás natural da cidade", afirma. O gerente diz comercializar cerca de 130 mil metros cúbicos de GNV por mês e a Compagas espera fornecer 1.500 metros cúbicos por dia. O responsável pelo posto Fokkus não quis se pronunciar sobre a parceria antes do início efetivo do fornecimento do produto.