02/10/2014 00:00:00 Excesso de chuva atrasa reforma no Bosque

Fonte: Folha de Londrina

O espaço destinado à passagem de pedestres no Bosque Marechal Cândido Rondon, na área central de Londrina, já mudou de lugar. A antiga calçada foi removida e cercada por muretas. No local será colocado um gramado para absorver melhor a sujeira deixada pelos pombos. Quem atravessa o Bosque agora caminha mais ao centro do chamado Zerinho, a uma distância segura dos galhos e dos pombos que tinham os pedestres como alvos fáceis. "É... Eles venceram", disse um taxista ao se referir às aves. Ele preferiu não ser identificado e afirmou que desconfia das melhorias. "Essa é mais uma prova de que esses passarinhos nunca vão sair daqui. Vai ficar mais bonito, mas a catinga vai continuar", argumentou. 

O profissional trabalha na região central há mais de 20 anos. "Antigamente, tinha um zoológico aqui. As famílias passeavam e era bem gostoso. Depois construíram o Zerinho e as pessoas usavam o espaço para caminhar. Com o tempo, os pombos chegaram e o povo cansou de sair com o sapato emplastado de sujeira. O bosque ficou abandonado", contou. 

A revitalização do Bosque Central começou no início de setembro. As obras seriam executadas em apenas um mês. No entanto, conforme o secretário municipal de Obras, Walmir Matos, a chuva atrasou a reforma. "Esperamos concluir tudo até o final de outubro. Estamos utilizando recursos próprios, máquinas e funcionários da secretaria. Se fôssemos licitar a revitalização, não conseguiríamos gastar menos que R$ 150 mil para a contratação dos materiais e da mão de obra", destacou Matos. 

A pista de caminhada será construída em linha reta, da Avenida Rio de Janeiro até a Avenida São Paulo. "Terá um retorno nas extremidades e um canteiro com floreiras ao meio", explicou. As mesas e bancos instalados no centro do Bosque ganharão piso de cimento nos arredores. 

O aposentado Francisco Galo comemorou. "Agora só vai faltar uma cobertura aqui", lembrou. Novas lâmpadas de LED também devem oferecer um ambiente mais claro aos pedestres. As mudanças executadas pela Secretaria de Obras em parceria com a Secretaria Municipal do Ambiente seguem o projeto elaborado pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina (Ippul). 

"Havíamos feito pequenas melhorias pouco antes dessa reforma, mas resolvemos executar o projeto. Vamos tentar minimizar o efeito das pombas. Queremos criar um ambiente melhor que ofereça mais conforto a população. É um espaço nobre no centro da cidade e não era possível deixar daquele jeito", ressaltou o secretário de Obras. 

REFLETORES
Os pombos ainda permanecem como os donos do espaço, mas já estão em menor número, segundo a Secretaria Municipal do Ambiente (Sema). Novos refletores utilizados para espantar as aves serão instalados após a reforma. A secretária da Sema, Maria Silvia Cebulski, informou que os técnicos farão a adequação do projeto inicial. "Não é uma solução definitiva, mas houve melhora e redução na quantidade de pombos. A comissão continua avaliando alternativas para solucionar o problema da superpopulação de pombos", destacou a secretária. Além da instalação de novos refletores, a Sema fará a poda e a retirada de árvores já condenadas no bosque. 

Apesar das críticas, a reforma é vista com bons olhos pela maioria dos pedestres ouvidos pela reportagem. "Eu já fui atingida por um dos pombos. Só percebi quando cheguei em casa. Acho que a reforma deve melhorar muito aqui", contou a técnica de Enfermagem Vera Márcia André. 

"O Bosque estava uma vergonha. Um abandono total. Eu aprovo a mudança", disse a costureira Rosa Maria Andrade. "Prefiro esperar para ver o final disso. Se não tiver manutenção não vai adiantar muito", apontou o garçom Mauro Moreno.