27/10/2015 00:00:00 Grandes frases da Semana do Empreendedor Digital

Fonte: Assessoria ACIL

Durante três dias, os participantes da 4ª Semana do Empreendedor Digital da ACIL tiveram um verdadeiro curso intensivo, com lições de ousadia e criatividade no mundo dos negócios. Se juntássemos todas as informações das palestras e oficinas realizadas, teríamos um livro. Enquanto não é possível publicar um livro, selecionamos para você algumas das frases marcantes do evento. Deleite-se – e não delete.


Paulo Schiavon, diretor de publicidade da Folha de S. Paulo
Palestra: “Novas mídias – O que muda, o que se transforma”


“Os homens criam as ferramentas. E as ferramentas vão recriar os homens.”
(Marshall McLuhan, citado pelo palestrante)

“O novo profissional de marketing está sempre inquieto. Ele não está preocupado com o futuro, mas com o presente.”

“A era do vender cedeu lugar à era do ajudar a comprar. Hoje é preciso inspirar seguranças nas decisões dos consumidores. E você passa segurança às pessoas construindo uma reputação.”

“Temos de mudar o foco no produto para o foco na presença digital.”

“A população brasileira está cada vez mais idosa. O Brasil não é o país do futuro, é o país do presente.”

“Empresas inovadoras não seguem a regra do jogo. Criam a regra do jogo.”

*******

Luís Felipe Cota, sócio-proprietário da Goomark:

“Você precisa criar uma persona que será o foco de atendimento da sua empresa. Sua empresa deverá ajudar essa persona.”

“Redes sociais ajudam muito as empresas. É importante estar presente em todas as redes sociais para construir o tráfego orgânico de usuários.”

“O principal desafio da empresa hoje não é vender mais. É transformar o cliente potencial em cliente fiel. A empresa só vai crescer de maneira consistente com uma base de clientes fiéis.”

“Se o cliente abandona o carrinho de compras virtuais, você deve aproveitar as informações deixadas por ele.”

“As decisões que a gente toma são tão boas quanto os números que a gente controla.”


*******


Ricardo Cabianca, da Sépha Perfumaria
Palestra: “Varejo eletrônico – Loucura ou coragem?”

“A venda on-line está sempre baseada em números. Na loja virtual, o que se vê são os números. Na loja física, existem outros sinais.”

“A crise chegou e ninguém mais compra hoje como comprava ontem. As pessoas fazem muitas consultas, trocaram hábitos de consumo, procuram itens mais baratos. O ticket médio está em queda. Como não sabemos onde vai dar a crise, é preciso que você entenda o seu consumidor.”

“É fundamental diferenciar o cliente novo do antigo. Cada um deve enxergar uma home diferente. Conhecendo os hábitos do seu cliente, você pode montar a home com base naquilo que ele gosta, no padrão de comportamento dele.”

“Não compre base de e-mails. Não feche os olhos e mande e-mail marketing para todo mundo. Faça uma limpeza no seu cadastro e não mande e-mail para clientes inativos há mais de cinco meses.”

“Relacionamento é a alma do negócio. Tenha equipe própria em todas as áreas.”


******


Ricardo Mendes, ex-diretor da Netshoes
Palestra: “O segredo da Netshoes – O cliente em primeiro lugar sempre”

“O freguês pode nem sempre ter razão, mas ele tem o dinheiro. Se você não escutar o cliente, seu produto nunca estará certo.”

“Mais do que ouvir, você precisa escutar o cliente com toda a atenção. Mude de perspectiva, passe a pensar do ponto de vista do cliente.”

“O atendimento ao cliente não deve ser um departamento da empresa. Deve ser a  empresa toda.”

“Escute a todos, sem distinção. Na Netshoes, nós escutamos o menino de dez anos que queria desenhar a nova camisa do Borussia Dortmund. E transformamos essa história em um vídeo de grande sucesso na internet.”

“Se a informação chega, por que o produto não pode chegar?”

“Cliente antigo gasta mais; é menos sensível a mudança de preços; traz novos clientes para a casa; é mais ‘barato’ do que o novo; e dá os melhores feedbacks.”

“A melhor experiência de venda passa por ser justo com o consumidor.”


*******


Bruno Scartozzoni, do Escritório Caldinas
Oficina de storytelling

“Vivemos numa época em que existe grande riqueza de informação e pobreza de atenção.”

“Como capturar a atenção das pessoas. Um dos poucos lugares em que as pessoas passam duas horas prestando atenção em alguma coisa, sem mexer no celular, é o cinema. E por que isso acontece? Porque as pessoas gostam de boas histórias.”

“Pela técnica de storytelling, você pode atrair a atenção das pessoas contando histórias sobre a sua marca ou sua empresa.”

“As maneiras mais fáceis de capturar a atenção das pessoas, segundos os estudiosos do comportamento, são basicamente três: ameaça, sexo e emoções.”

“Por que as pessoas gostam de histórias? Por três motivos: 1. preparação para os desafios da vida; 2. atribuição de sentido aos fatos; e 3. entretenimento.”

“Quando você vai contar uma história existem alguns passos básicos que conduzem a narrativa: Era uma vez; todo dia; de repente; e então; dali pra frente...”

“Antes de contar a história da sua empresa, define o seu objetivo de comunicação e se cabe usar a emoção. Procure falar de personagens, e não de coisas: mais CPF e menos CNPJ.”

“Faça uma ficha técnica dos personagens de sua história, com os seguintes dados: nome e sobrenome, idade, histórico familiar, personalidade (signo), superpoder, fraqueza ou falha de caráter, do que gosta, do que não gosta, endereço, profissão e segredo.”

“Todas as histórias já foram contadas. Mas, para garantir o interesse da história que você vai contar é preciso reunir alguns elementos: quebra de rotina; protagonista; conflito; processo de transformação; e verdade humana.”