11/11/2014 00:00:00 Londrina é pioneira em sistema de nota fiscal digital

Fonte: JL

Londrina é a primeira cidade do Paraná a adotar uma medida inédita que pretende, a longo prazo, acabar com o uso de papel na emissão de notas fiscais. O passo pioneiro foi dado nesta semana pela rede de lojas de material de construção Todimo, ao implementar a nota fiscal digital. O novo documento dá mais transparência e mais segurança tanto para quem compra quanto para quem vende.

No cupom impresso, além dos dados convencionais da nota fiscal, a novidade é o QR Code – uma espécie de evolução do já conhecido código de barras. A sequência de pontinhos pretos parece aleatória a princípio, mas na verdade é uma forma de armazenar informações, como o endereço eletrônico da Secretaria Estadual de Fazenda do Paraná, onde os dados da nota fiscal estão armazenados. Este acesso pode ser feito por meio de celulares ou tablets.

“Isso dá muito mais agilidade porque, com o código, o consumidor pode acessar a nota fiscal a qualquer momento pela internet. Se algum produto precisar ser trocado dentro da garantia, por exemplo, e o consumidor perdeu o cupom impresso, agora pode acessar a nota fiscal diretamente do site da Receita”, explicou Danilo Gil, gerente da primeira loja da rede em Londrina a implantar o sistema.

Acessar os dados da nota fiscal é simples, garantiu o gerente de Tecnologia da Informação (TI) da Todimo em Londrina, Cláudio Willemann. O consumidor precisa ter um celular ou tablet com acesso à internet e um programa leitor de QR Code. “Existem várias opções gratuitas destes programas. Basta tirar uma foto do código que o sistema acessa imediatamente os dados digitais já no site da Receita”, disse.

A nota com o código digital, confirmou Willemann, é o primeiro passo para o completo desuso do papel como comprovante de pagamento. Segundo o gerente de TI, com esta inovação, o papel começa a perder valor legal. Aos poucos, a nota fiscal impressa no ponto de venda deve cair em total desuso, informou.

“Vamos implementar essa solução aos poucos, para não trazer grande impacto aos consumidores. Mas o próximo passo é emitir, a médio prazo, um cupom simplificado com algumas informações simples, como o valor da compra e o código. Na etapa final, o código vai aparecer somente na tela do computador e o cliente vai tirar a foto e armazenar os dados, sem o uso de papel. É uma tecnologia ‘verde’, ecológica em sua essência”, avaliou.

Sem burocracia

O novo sistema foi implantado em apenas dois dias em todos os caixas da loja da Todimo. Se fosse nos moldes antigos, o prazo seria de pelo menos 30 dias, afirmou o gerente de TI, Cláudio Willemann. A agilidade se dá, em parte, pela utilização de sistemas mais simples para a emissão dos comprovantes.

“Antes, precisávamos contatar alguém da Receita Estadual, que verificava desde o lacre das impressoras até a homologação e certificação dos programas de computador. Agora, como tudo está integrado ao sistema da Receita Estadual, se eu quiser colocar um quiosque separado dentro da loja, posso vender e emitir nota com um celular e uma impressora comum, sem fio”, explicou Willemann.

Novo sistema não é obrigatório

O processo de emissão da nova nota fiscal é rápido. De acordo com a assessora operacional da Delegaria da Receita Estadual de Londrina, Paula Lima, o processo leva apenas 40 milésimos de segundo para ser gerado dentro do ambiente da própria receita. Esta, aliás, é a grande diferença dos antigos cupons fiscais.

“O que o cliente recebe impresso é apenas uma imagem, uma cópia da nota que já existe eletronicamente para o Fisco. Os cupons fiscais eram gerados dentro do ambiente do comércio, e depois eram informados à receita”, disse.

A implantação do novo sistema traz benefícios para todos, mas ainda não é obrigatória, alertou a assessora. A adesão à oficialmente chamada Nota Fiscal ao Consumidor Eletrônica (NFCE) é voluntária, e com prazo indeterminado. “O objetivo, a longo prazo, é alcançar todos os estabelecimentos”, disse Paula.