13/10/2014 00:00:00 Londrina fica no fim da lista do Paraná Competitivo


Londrina está no fim da lista dos municípios paranaenses que mais receberão recursos privados do Programa Paraná Competitivo, vitrine do governo Beto Richa. Pelo menos 34 de 52 cidades terão mais investimentos. De um total de R$ 23.448 bilhões, somente R$ 14,18 milhões, ou 0,06%, devem ser investidos em Londrina, em três investimentos. 

A reportagem pediu a lista oficial à Secretaria da Fazenda, mas até o fechamento desta edição não a recebeu. O levantamento foi feito por meio de um relatório obtido junto a uma fonte do governo. São R$ 24,4 bilhões, em 170 empreendimentos que receberão incentivos fiscais do governo. Mas, R$ 992 milhões constam do relatório sem a descrição dos municípios que serão beneficiados. 

Apesar do discuso oficial de que o programa visa promover a industrialização do interior, 50% dos investimentos serão feitos na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). A outra mesorregião fartamente beneficiada é a vizinha Centro Oriental, onde fica Ponta Grossa, com 44% dos recursos. Juntas, elas concentram 94% dos investimentos. 

A cidade que mais receberá investimentos é Ortigueira, no Centro Oriental. São R$ 7,2 bilhões, de um único empreendimento, a fábrica da Klabin. Curitiba fica com R$ 3,096 bilhões. São José dos Pinhais, com R$ 3.059 bilhões e Fazenda Rio Grande, com R$ 1,7 bilhão. Ponta Grossa leva R$ 1,1 bilhão. 

O Norte do Paraná é a quinta das nove mesorregiões mais beneficiadas. Ficará com apenas R$ 185,7 milhões. Maringá é a cidade da região que mais recursos receberá. São R$ 80,35 milhões em oito investimentos, ou 5,6 vezes mais que Londrina. Centenário do Sul tem um projeto aprovado, com R$ 30 milhões. E Rolândia tem quatro, totalizando R$ 27,18 milhões. 

O secretário estadual da Fazenda, Luiz Eduardo da Veiga Sebastiani, não vê nada de errado no fato de Londrina, a segunda maior cidade do Paraná, estar em 35º lugar na lista do Paraná Competitivo. "Londrina não tem problema. É um polo econômico importante e tem tradição em serviços, com uma rede hoteleira grande, shoppings e boa estrutura médico-hospitalar", afirma. 

Sebastiani também nega faltar força política no município para atrair novos investimentos na área industrial. Ele garante que o governo tem se esforçado para beneficiar não só Londrina, mas todo o interior através do Paraná Competitivo. "Mas a decisão (pelo município) é sempre do investidor", declara. A distância do Porto de Paranaguá seria o principal desestímulo para a iniciativa privada investir no interior.