05/11/2014 00:00:00 Em crise, mercado automotivo brasileiro encolhe


As quedas na produção e na venda de carros neste ano no Brasil e o baixo crescimento esperado para 2014 já tem um legado praticamente certo a médio prazo: as expectativas de crescimento do mercado automotivo brasileiro são bem mais modestas do que se imaginava. Enquanto consultorias de mercado cortam suas previsões, as indústrias temem que os investimentos recentes resultem em ociosidade das fábricas.

A previsão mais recente, da consultoria Roland Berger, diz que em 2018 o mercado brasileiro será de 4,2 milhões de unidades vendidas – 23% abaixo da previsão divulgada no ano passado, que esperava um mercado de 5,5 milhões.

A produção também deve ser prejudicada. De uma previsão de 5 milhões de carros fabricados no país em 2018, a expectativa agora da consultoria é de 3,9 milhões – 21% a menos.

A queda de patamar é a consequência natural de um ano fraco para o mercado de veículos e de uma economia com poucas perspectivas de recuperação para um futuro próximo. “O mercado já apontava para uma curva descendente neste ano. Projetar um crescimento tão grande era ignorar os sinais que a economia nos dava”, afirma a economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif.

Para a economista, era de se esperar que, depois de um crescimento de 263% nas vendas de veículos nos 12 últimos anos, o ritmo se desaceleraria. “É uma revisão do patamar que chegaremos nos próximos anos”, completa.

Para este ano mesmo, as expectativas já foram revistas na metade do ano. Em janeiro, a Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) previa um aumento de 1,4% na produção de carros até dezembro em relação a 2013. Hoje, a expectativa é fechar o ano em queda de 10%.

“Até o fim do ano, a situação será difícil. Com o pessimismo do mercado e a retirada de incentivos fiscais do governo, não vejo muita perspectiva de recuperação no curto prazo”, afirma o sócio da Roland Berger para o setor automotivo no Brasil, Stephan Keese.

Longo prazo

Para depois de 2015, no entanto, as previsões parecem menos pessimistas. A esperança é que o mercado apresente uma retomada sutil, mas sólida, puxada pela recuperação da confiança do consumidor.

“Bens como carros e imóveis, por exemplo, são muito prejudicados com a queda de confiança. Mas o mercado aponta para uma retomada para os anos seguintes”, afirma Maurício Carvalho, gerente financeiro da Faurecia, fabricante de peças para automóveis.

O afrouxamento da restrição de crédito também deve puxar uma retomada em médio prazo. “Entre as principais linhas de crédito, o financiamento para a compra de carros caiu 9% até agosto em relação ao mesmo período do ano passado. Com um crescimento mais intenso, o acesso ao crédito deve se facilitar”, completa a economista Zeina Latif.