20/05/2022 15:50:51 Mercado em Foco: futuro do varejo será técnico, sem perder a humanidade

Fonte: Assessoria ACIL

A 8ª edição do Mercado em Foco, realizada na quinta (19) pela ACIL no Centro de Eventos do Aurora Shopping, em Londrina, apresentou diferentes conteúdos dedicados ao varejo para o público que compareceu em peso (mais de 200 pessoas), reforçando a importância do retorno presencial ao evento. O clima foi de reencontro, bate-papo e muito networking, além de relatar cases de sucesso com o empreendedor contando, olho no olho, suas experiências. Houve, claro, momentos de conhecimento técnico, mas a emoção não deixou de transparecer nos depoimentos. Afinal, empresas são feitas de pessoas. Nesta edição, o Mercado em Foco teve co-realização da governança Comércio InFoco e do Sebrae, com patrocínio da Uniodonto, Totvs e Sicredi.

“Vocês vão transformar o olhar para o seu negócio com grandes cases e grandes nomes. Isso é a ACIL gerando networking e trazendo informação de ponta para os associados”, comentou a presidente Marcia Manfrin, em participação por vídeo - ela estava nos Estados Unidos acompanhando uma missão para apresentar empresas londrinenses ao mercado americano.

Modelo Disney
O “jeito” Disney de encantar os clientes foi apresentado durante o evento e chamou muito a atenção dos participantes. Jacqueline Gomes, CEO na empresa No Coração do Cliente, especialista Método Disney e Customer Experience, provou que mais do que espetáculos e magia, a gigante do entretenimento é capaz de atuar como modelo de gestão, inspirando empresários e empreendedores. “Não existe pó mágico. É com um bom trabalho que se faz a mágica. É o modelo de gestão voltado para a experiência do cliente que irá proporcionar ocasiões únicas e memoráveis, através de uma conexão emocional com os clientes”. A especialista ainda relacionou alguns pilares para o processo de experiência com o cliente: Comprar o seu produto ou serviço precisa ser fácil; é necessário ampliar o vínculo do cliente com sua empresa; e, por último, ter como foco o sucesso do cliente. “É preciso fazer com que o cliente alcance o objetivo dele. Se sua empresa atingir essa expectativa, ele jamais esquecerá do seu negócio e você terá sucesso por consequência”, ressaltou Jacqueline.

Case Hachimitsu
O case da confeitaria Hachimitsu foi um dos destaques desta edição, quando Nilo Kato contou a história da empresa, revelando os desafios enfrentados. Ele e a esposa Suely foram para o Japão buscar novas oportunidades. No período em que estiveram no país, Suely conheceu a culinária oriental. Depois de 15 anos, eles retornam para o Brasil e abriram a primeira loja Hachimitsu em 2005. Nos primeiros sete meses de empresa, tiveram muitas dificuldades. “Não tínhamos sucesso por causa de nós mesmos”, revelou Nilo. Mas a persistência valeu a pena. Por volta de 2014, a rede já contava com cinco lojas. O projeto de franquia veio em 2019, mas a pandemia atrapalhou os planos. Após investimento em marketing digital, as vendas cresceram em grande escala. Atualmente, a Hachimitsu é a maior rede de doceria do Norte do Paraná. “Com otimismo e entusiasmo, tenho certeza de que nós vamos chegar onde quisermos”, enfatizou o empresário.

Tendências para o comércio
Como manter a loja física relevante e, ao mesmo tempo, expandir e fortalecer as vendas em diferentes canais? Experiência. O painel Tedências para o comércio contou com a participação do professor João Luiz Carvalho, um estudioso do varejo físico; Juarez Leão, CEO da Leão Group e um grande especialista da multicanalidade e omnichannel; e Tiago Baeta, fundador do E-Commerce Brasil, que, juntos, apontaram caminhos para que empresários repensem a jornada do cliente e possam gerar boas percepções em todos os pontos de contato com o consumidor. O painel foi mediado por Alesandra Almeida, do Sebrae. 
João Luiz Carvalho destacou que “experiências são para todos e podem acontecer em qualquer lugar”, enfatizando a ideia de que experiências podem - e devem - ser geradas independentemente do porte da empresa. 
Segundo Juarez Leão, a multicanalidade é uma oportunidade para manter a empresa atualizada e torná-la um objeto de desejo para consumidores cada vez mais exigentes e interativos. “O intuito é que um canal apoie o outro e a marca se torne mais forte, o que é possível propiciando a mesma experiência em qualquer que seja o canal”, destacou.
“Hoje, 65% das compras, seja onde for, começam online", apontou Tiago Baeta, para quem o e-commerce tem apresentado um protagonismo dos marketplaces e o celular se torna cada vez mais habitual como ferramenta de acesso e compra.

Selo Social
Um momento especial marcou a 8ª edição do Mercado em Foco, com o lançamento do Selo Social ACIL 2022, criado para reconhecer empresas de Londrina e região que realizam projetos relacionados ao Terceiro Setor, Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS - Agenda 2030) e práticas de ESG (Ambiental, Social e de Governança Corporativa). “Hoje é um dia histórico para a ACIL”, destacou o diretor Institucional Marcelo Quelho. O selo surgiu a partir do Núcleo Rede Terceiro Setor, do Programa Empreender. Saiba como participar neste link: https://bit.ly/3lqj3DL.

Prevenção de perdas
Nem todos os empresários percebem que as perdas podem ser gerenciadas para aumentar a lucratividade. Este foi o tema abordado por Carlos Eduardo Santos, presidente da Abrappe (Associação Brasileira de Prevenção de Perdas). O tema é tão sério que envolve recursos humanos, estoque, caixa e produtividade, afetando diretamente nos lucros. “Ruim não é perder, ruim é não fazer gestão sobre perdas. Essa talvez seja a forma mais rápida para aumentar a lucratividade sem vender mais”, destacou. As perdas podem ocorrer de formas diversas em diferentes segmentos: por furto, prazo de validade, erro de nota fiscal ou má gestão do estoque. Quando um produto some, o registro do estoque torna-se distante da realidade. O cliente vai buscar o produto na gôndola e não o encontra. Além de perder a venda, este círculo vicioso acaba por afastar o cliente. O bom gerenciamento das perdas, portanto, aumenta as vendas, a lucratividade e gera networking. 

Sucessão familiar
Os negócios de família sempre enfrentam o desafio da continuidade. Os filhos nem sempre querem seguir os passos do pai, colocando em risco o futuro da empresa. Especialista em governança corporativa e sucessão familiar, Domingos Ricca tratou deste assunto espinhoso - pois mexe com egos e sentimentos -, mas fundamental para a sobrevivência do empreendimento. “A sucessão tem que ser feita de uma forma gradativa, você não vai agradar todo mundo. É importante lembrar que ninguém conhece a empresa melhor do que o fundador”, ressaltou. Os caminhos para uma boa transição passam por preservar o carisma do fundador, baseado no respeito aos colaboradores, fornecedores e parceiros; no cumprimento da palavra, imprescindível para honrar compromissos e selar relações duradouras; e na perseverança, pois acreditar no próprio negócio é o principal.

Vale Verde
Os temas se encadearam no 8º Mercado em Foco. Após a palestra de Domingos Ricca, a sucessão familiar foi exemplificada na prática pelo case da Vale Verde, rede de farmácias fundada por Rubens Augusto e hoje presidida pela filha, Ana Carolina Augusto. O segredo da continuidade passou por desvendar as principais qualidades do negócio: o cuidado com os clientes, cujas necessidades devem ser resolvidas de forma exemplar, proporcionando uma experiência positiva e um resultado consistente. “Eu comecei a trabalhar em farmácia muito novo, com 12 anos, e me apaixonei por isso. Sofri muito porque meus amigos saíam para brincar e eu estava trabalhando. Se eu soubesse que era tão difícil, talvez eu não tivesse superado todos os problemas”, declarou Rubens Augusto, relatando o início do empreendimento que hoje possui diversas unidades espalhadas por Londrina.