03/05/2016 00:00:00 Microempreendedores individuais crescem 12% na cidade

Fonte: Folha de Londrina

A crise econômica e o aumento do desemprego fizeram o número de microempreendedores individuais (MEIs) crescer 12% em Londrina. No primeiro trimestre deste ano, a Prefeitura concedeu 827 alvarás para este tipo de empreendimento, contra 739 no mesmo período de 2015. Ao total, a cidade conta hoje com 16.357 MEIs, e o Paraná, com mais de 332,8 mil. No Brasil, são 5,9 milhões. 

Até a próxima sexta-feira, será realizada na Sala do Empreendedor, no piso térreo da Prefeitura de Londrina, a 8ª Semana do Microempreendedor Individual. Maio é o mês em que esses profissionais têm de entregar a Declaração Anual do Simples Nacional (DASN). Lembrá-los sobre isso é um dos objetivos da semana. "Outro é preparar essas pessoas para a gestão", conta o gerente regional do Sebrae, Heverson Feliciano.

Ele afirma que existem dois tipos de empreendedorismo: o de oportunidade e o de necessidade. "O de oportunidade vinha crescendo muito antes da crise, mas agora o que cresce mais é o de necessidade", conta. E é a necessidade, de acordo com Feliciano, que vem impulsionando a criação dos MEIs. "São pessoas que ficaram desempregadas ou que, devido à queda na renda das famílias (provocada pela deterioração da economia), tiveram de arrumar alguma atividade para complementá-la", explica. 

A boa notícia, segundo o gerente do Sebrae, é que 15% dos brasileiros que se formalizaram como MEI desde 2009, quando esta figura foi regulamentada por lei, já transformaram seus negócios em microempresas. "Nosso sonho é que todo MEI se torne empresário", ressalta. 

Na avaliação do prefeito Alexandre Kireeff, há duas justificativas para o crescimento do número de MEIs. Além da crise econômica, "que faz as pessoas buscarem novas maneiras de gerarem renda", ele cita a ampliação da capacidade de atendimento da Sala do Empreendedor, que é uma parceria entre o Município, a Associação Comercial e Industrial de Londrina (Acil), o Sebrae, os sindicatos das empresas de contabilidade e dos contadores, Sescap e Sicolon, e o Conselho Regional de Contabilidade (CRC). 
Ontem, durante a abertura da semana, Kireeff anunciou que, no segundo semestre, a Prefeitura vai implantar o Barracão da Primeira Empresa, projeto que vai oferecer serviços especializados para quem deseja empreender na cidade. "Vamos oferecer capacitação para quem está criando sua primeira empresa. Não só nos aspectos mais básicos, mas também nos estratégicos", afirma. O barracão, de acordo com ele, ficará na zona norte. 

Oportunidade

Embora a proliferação dos MEIs esteja relacionada ao empreendedorismo de necessidade, a reportagem conversou com dois londrinenses que viram oportunidades de negócio. O engenheiro civil e de segurança do trabalho Charles William Polizelli Pereira, de 31 anos, é um deles. Está empregado como professor, mas procurou uma consultoria do Sebrae para abrir um negócio próprio. "Pretendo dar aulas de segurança no trabalho em empresas", conta. Ele já tem seu CNPJ e vai dar entrada como MEI para obter alvará na Prefeitura. "Por enquanto, vou manter o emprego e levar a empresa em paralelo", declara. 

Já Márcia Nardino, 32 anos, deixou o emprego numa concessionária de automóveis na semana passada para se dedicar ao negócio próprio: a venda de roupas. Na manhã de hoje, ela tem um horário agendado na Prefeitura para pedir o alvará como MEI. "Por enquanto vou vender de porta em porta, mas a ideia é ter loja no futuro", afirma. Depois de 12 anos trabalhando como empregada, a empreendedora fez essa opção por acreditar que terá "mais autonomia, liberdade para viajar e flexibilidade de horário".