25/03/2020 16:31:50 Nota Oficial sobre impactos do novo coronavírus

Atendendo a determinação técnica de órgãos de saúde nacionais e mundiais a respeito das medidas que precisam, inevitavelmente, serem aderidas para conter a disseminação do novo coronavírus (COVID-19), faremos de tudo para que as pessoas fiquem em casa nesses 15 dias. Estamos ajudando arduamente a Prefeitura a se estruturar com itens essenciais para a saúde como máscaras, álcool gel, vestuário para profissionais da saúde, campanhas de conscientização, estruturas físicas necessárias para triagem e atendimentos à população. 

São medidas rigorosas, difíceis, mas necessárias, justamente para conter a proliferação em massa do novo coronavírus, e para que, acima de tudo, não precisemos prorrogar por mais tempo o prazo de 15 dias de fechamento dos estabelecimentos. 

Dentro deste período já estudamos também maneiras de organizar a retomada do setor produtivo de forma gradual, com responsabilidade e equilíbrio, adotando medidas como, por exemplo, o isolamento vertical, zelando especialmente grupos de riscos como idosos, além de pessoas com problemas respiratórios, doenças do coração e diabéticos.

Neste momento, a conscientização e as determinações que vêm, sobretudo, da Organização Mundial da Saúde, são importantes, pois queremos retomar com toda força e energia nossos negócios, nossas empresas, nossas indústrias, arregaçando as mangas para ajudar a aquecer nossa economia. 

Mas não podemos fazer isso sozinhos. As empresas não poderão arcar com o ônus sozinhas. Nesse momento tão difícil para o País, precisamos que a máquina pública também se conscientize, se sensibilize e enxugue seus gastos, salários altos e todos os privilégios. A responsabilidade é de todos. O dever é de todos. E só conseguiremos sair dessa situação menos prejudicados com a união de todas as esferas públicas, prefeitura, governo estadual e governo federal. 

Aos empresários, centro de todo o desenvolvimento de nosso país, estamos buscando junto a cooperativas de crédito, Garantinorte e Fomento Paraná, linhas com taxas de juros a partir de 0,59% ao mês. Todas essas medidas para que esse período difícil seja menos amargo. 

Repito! O momento é difícil, as empresas já estão sentindo na pele o fechamento de suas portas, medida necessária para hoje. Mas queremos voltar. Queremos não demitir. Queremos pagar nossas contas. Queremos a retomada da economia. 

Mas queremos que os esforços também venham do poder público, em conjunto com a classe empresarial. 

Não podemos arcar sozinhos com todos os prejuízos. 

Fernando Moraes, presidente da ACIL