07/05/2015 00:00:00 Londrinenses aprovam gestão Kireeff

Fonte: Folha de Londrina

O prefeito de Londrina, Alexandre Kireeff (PSD), ao contrário do governador Beto Richa (PSDB) e da presidente Dilma Rousseff (PT), está passando ileso pela insatisfação do eleitorado com os políticos e mantém índices positivos, com 56% de aprovação. Caminhando para a metade do terceiro ano do mandato, Kireeff tem a administração considerada ótima ou boa por 38% dos londrinenses. Os dados foram apurados pelo Instituto de Pesquisa Multicultural para a FOLHA e a Rádio Paiquerê AM, avaliando as três esferas do Poder Executivo. 

Com popularidade em baixa, Beto tem a administração considerada ótima ou boa por apenas 5,5% dos entrevistados, enquanto Dilma ficou com 6% no mesmo quesito. 

Embora a administração municipal ainda não tenha resolvido demandas importantes da população, como acesso à saúde, educação e limpeza pública – serviços que encabeçam a lista dos maiores problemas identificados pela pesquisa –, o grau de confiança no prefeito Kireeff continua alto. De acordo com a pesquisa, 67% da população confia nele. O diretor do Multicultural, Edmilson Vicente Leite, afirmou que trata-se de "índice incomum no cenário político". "Mesmo que algumas ações não sejam executadas, em razão do estilo mais burocrático do prefeito, é uma administração sem escândalos e isso está agradando a maioria", analisou o diretor. 

A nota média atribuída ao prefeito pelos londrinenses é 6,1, apurada em todas as regiões da cidade, inclusive na zona rural, com poucas variações entre as demais regiões. Por outro lado, 57% dos entrevistados não souberam dizer quais as obras de destaque do Executivo em andamento na cidade. O asfaltamento de ruas e avenidas foi citado por 8%; construção de novas unidades de saúde, 7%; pavimentação da Avenida Saul Elkind, 6%; e reformas de postos de saúde; 5%. Uma das principais bandeiras de Kireeff, o saneamento das contas do município é citado como ação importante por apenas 4% dos entrevistados. 

O Instituto Multicultural ouviu 657 pessoas, entre os dias 29 de abril e 4 de maio, com margem de erro de 2% para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%.