23/07/2015 00:00:00 Entrevista: o desafio da execução

Fonte: Susan Naime - Revista Mercado em Foco

Uma sala cheia de mentes brilhantes nem sempre é o suficiente para o sucesso de uma empresa. Talvez transpor esses elementos do papel (ou da mente) para a realidade seja uma das atividades mais desafiadoras de uma companhia, independentemente de seu porte e segmento. Em tempos de crise, os problemas tornam-se ainda mais evidentes e o resultado é assustador. Segundo pesquisa realizada pelo IBGE, de cada 100 empresas abertas no Brasil, 48 (quase a metade!) encerram as suas atividades em três anos. Para entender as dificuldades de se colocar um planejamento estratégico em prática, a revista Mercado em Foco entrevistou o consultor organizacional e Coach especializado em estratégia e Liderança, Fabiano Zanzin. Ele é fundador e master coach da Concept Consultoria – Educação Empresarial. Aproveite as dicas e boa leitura!



Mercado em Foco: As empresas sabem qual é o momento de acender a luz de alerta para algum problema ou dificuldade?

Fabiano Zanzin: Nem todas as organizações têm a maturidade de enxergar por si só que precisam de ajuda. Existem as organizações que só procuram ajuda quando a situação está insustentável e existem as empresas que seguem ao pé da letra a máxima de que é em tempo de paz que se prepara para a guerra. O momento de buscar ajuda é aquele em que o empresário identifica que os seus desafios e projetos são muito maiores que a sua própria capacidade de execução. Vivemos um momento no País que retrata muito bem essa realidade. Empresas que se planejaram há dois ou três anos hoje sofrem um impacto muito menor. Aquelas que não se prepararam, não buscaram ajuda ou não se qualificaram passam por dificuldades – algumas nem vão sobreviver.


Mercado em Foco: Quando os conflitos são bem-vindos dentro da empresa?

Fabiano Zanzin: Nós chamamos os conflitos de caos. E é por meio do caos que se constrói a maturidade. Os conflitos são os primeiros sintomas de que algo não está legal e é ali que as pessoas tomam a decisão de buscar ajuda. Portanto, passam a ser um divisor de águas. O ideal é que não se precise chegar nesse nível.


Mercado em Foco: Após entender que existe um problema, qual seria o próximo passo?
Fabiano Zanzin: O primeiro passo é o reconhecimento de que é necessária essa ajuda. É um momento para identificar realmente qual é o foco, o objetivo, o que incomoda para só depois estabelecer um objetivo, onde se quer chegar e, principalmente, desenvolver a responsabilidade de cada parte no processo. As empresas precisam descobrir o caminho da eficiência que necessitam.


Mercado em Foco: Existe uma má compreensão do significado pleno da palavra “executar”?
Fabiano Zanzin: Sim. As pessoas confundem execução com planejamento. As empresas dedicam muito tempo e dinheiro em montar planejamentos estratégicos. O objetivo de um planejamento é garantir que uma empresa erre menos. Agora, o grande desafio não é montar um bom planejamento e, sim, executá-lo. Por isso vemos empresas que possuem planejamentos maravilhosos e elaborados, mas não conseguem executá-los, tirá-los do papel.


Mercado em Foco: E por que é tão difícil executar o planejamento estratégico?
Fabiano Zanzin:
Porque envolve pessoas. E tudo que envolve pessoas muitas vezes envolve mudança de comportamento. Todas as organizações, quando estabelecem uma meta, estão estabelecendo algo novo para ela. Só que as pessoas têm dificuldade de trabalhar com o novo porque normalmente atuam com o viés do paradigma daquilo que elas sempre fizeram na vida.


Mercado em Foco: Já caiu por terra o conceito de que um chefe deve ficar aguardando que seus subordinados lhe tragam os resultados?
Fabiano Zanzin:
Esse paradigma do gestor, líder ou chefe que está à frente da equipe mostrando o caminho e dizendo o que deve ser feito é um modelo falido. Nada é mais eficiente do que uma equipe engajada. E o engajamento você só consegue quando a equipe passa a fazer parte da estratégia de execução.


Mercado em Foco: As pessoas até gostam de dar uma infinidade de ideias e sugestões como soluções de um problema, mas por que acaba sendo tão difícil torná-las reais?
Fabiano Zanzin: Às vezes a organização não tem a cultura do trabalho em conjunto ou do objetivo comum. As organizações estão acostumadas a trabalhar de uma maneira onde cada líder de uma área estabelece a sua meta com a sua equipe. Os departamentos precisam trabalhar em harmonia, como um time em direção a um objetivo comum, e não como departamentos autônomos e distintos. Dentro de uma empresa, cada setor é uma engrenagem que faz parte de um todo.

Mercado em Foco: Quando um dos grandes problemas é a instabilidade financeira, como melhorar o clima interno?
Fabiano Zanzin:
A saúde financeira da empresa é vital para o ambiente saudável. A partir do momento que se detecta a instabilidade financeira, a primeira coisa que deve ocorrer é uma reestruturação. Também será preciso aprender a conviver com o novo quadro. É muito importante que esse ponto não seja atingido porque quando isso ocorre as pessoas começam a trabalhar sem direcionamento, e isso é perigoso.


Mercado em Foco: Existe uma periodicidade para a empresa fazer a autoavaliação de seu planejamento estratégico?
Fabiano Zanzin:
A avaliação deve ser constante. É como um treinamento de um time. Não é por que você ganhou um campeonato um ano que você não irá treinar no próximo.


Mercado em Foco: Se você pudesse resumir, existe um principal fator que faça com que a execução de um planejamento dê certo?
Fabiano Zanzin:
Existe a receita do sucesso que são as 4 Leis da Execução. Primeiro se deve estabelecer a meta que é crucialmente importante, ou seja, aquilo que é fundamental para a organização. Definida essa meta, cada departamento assume a sua meta que, juntas, irão contribuir para a meta principal. O estágio número dois é definir quais serão as ações que cada departamento irá executar para levar a sua equipe em direção à meta. Muitas empresas erram aqui: definem a meta e se esquecem das ações. O terceiro princípio é estabelecer indicadores de desempenho, ou seja, as equipes devem observar em que estágio caminham para atingir a sua meta. Isso também faz com que a equipe não perca o ritmo. E o quarto princípio é a cadência de responsabilidade através de um fórum semanal para discutir as metas. É importante dizer que não existe metodologia perfeita. Tudo passa pela mudança de comportamento.