11/06/2015 00:00:00 Comércio fechado, vergonha nacional!

Por Valter Orsi

Na próxima sexta-feira, 12 de junho, 5.560 municípios brasileiros vão abrir o comércio no Dia dos Namorados, considerado a terceira data mais importante para o varejo nacional. Em todo o País, uma única cidade terá o comércio fechado. Seu nome é Londrina.


Nós sempre tivemos orgulho de Londrina. Orgulho por termos feito a lição de casa contra a corrupção. Orgulho pelo desenvolvimento inigualável em 80 anos de fé, esperança e amor ao trabalho. Orgulho por ser uma cidade apaixonante para todos que a conhecem. Orgulho de ser uma cidade genial em tecnologia da informação. Orgulho agora, quando Londrina continua a crescer, mesmo no panorama da crise política e econômica que afeta o Brasil.

Mas o fechamento do comércio no dia 12 nos envergonha. Os empregados do comércio não merecem ver seus ganhos reduzidos. Os comerciantes não merecem ver proibido seu acesso aos frutos do trabalho justamente na hora da colheita. Os consumidores não merecem ver tamanho desrespeito ao seu direito de escolha. A cidade não merece isso. Não merece!

Em minha primeira gestão como presidente da ACIL, há 15 anos, já éramos obrigados a enfrentar a intransigência do Sindicato dos Empregados do Comércio quanto ao horário de funcionamento das lojas. Nunca aceitamos a teimosia dos sindicalistas em considerar Londrina como uma cidade provinciana, fechada ao bom senso e às oportunidades de crescimento. E o mais irônico é que o sindicato continua sendo comandado pela mesma pessoa. Já não é mais uma entidade sindical; é um regime vitalício.


Em todo o mundo, sabe-se que a melhor receita contra a deterioração das áreas centrais urbanas é a ampliação dos horários de funcionamento das lojas. Onde há mais gente circulando, tudo tende a melhorar: a segurança, a iluminação, o mobiliário urbano – além, é claro, geração de empregos e renda. Comércio aberto é cidade viva.


No entanto, o Sindicato dos Empregados do Comércio continua avesso à evolução. Há mais de 60 anos (!) impõe um horário restrito às lojas de Londrina, condenando o Centro da Cidade ao abandono e à estagnação, enquanto só os shoppings e supermercados são livres para trabalhar.  Os pequenos e médios comerciantes – e também os seus funcionários – continuam sendo vítimas do atraso. O resultado pode ser visto na quantidade de imóveis fechados na área central. Dezenas e dezenas de lojas, que poderiam estar movimentando a economia e gerando renda para as famílias londrinenses, hoje estão fechadas com uma triste placa de “Aluga-se” na porta.

Quem permite uma situação dessas não ama a cidade. Não respeita as pessoas. Não está agindo em defesa dos trabalhadores.  Quem permite que Londrina passe vergonha diante do Brasil está agindo em nome de interesses que contrariam o bem da comunidade. Até quando vamos permitir que uma pequena minoria sindical mantenha a cidade inteira como refém? A ACIL vai lutar, sem trégua, para que esse absurdo tenha fim. Liberdade para o comércio de Londrina!

– Valter Luiz Orsi é presidente da Associação Comercial e Industrial de Londrina (ACIL).