12/05/2015 00:00:00 Artigo: Por uma cultura ética nas organizações

Fonte: Flávio Moura - Revista Mercado em Foco

O uso amplo do termo “ética” pode despertar muitos entendimentos. Por isso, antes de mais nada é preciso entender o seu correto significado. Para compreendermos esta questão de forma prática, partiremos da perspectiva de que a ética está associada ao estudo e à reflexão sobre os valores que orientam o comportamento humano. São normas morais que fornecem subsídios para a solução de muitos dilemas.

Talvez o entendimento sobre o que é ética seja melhorado se lançarmos luz sobre exemplos de sua antítese – da falta de ética. A antiética é um vício da nossa cultura que aparece em pequenos gestos e ações do cotidiano. Não é raro vermos pais que ao buscarem seus filhos no colégio estacionam o carro na faixa de pedestre ou mesmo em faixa dupla sem se darem conta que estão sendo um exemplo negativo para as crianças. Há também o cidadão que esbraveja contra os escândalos de corrupção mas ao pagar uma conta no supermercado percebe que recebeu um valor maior do que deveria de troco e não diz nada. Antiético é qualquer comportamento que rompe com os valores que garantem a boa convivência social.

É preciso fazer um esforço para eliminar esse vício de todas as esferas das nossas vidas. No ambiente empresarial, o empenho também é necessário para melhorar o relacionamento com os colaboradores, fornecedores, clientes e a sociedade como um todo. A empresa deve buscar uma interação moralmente correta, criando referências e padrões de boas práticas.

Não basta ter uma política interna descrita em códigos de ética e conduta restritos aos colaboradores. Devem ser adotadas iniciativas que disseminem o DNA ético por todos os níveis hierárquicos da organização. A criação de comitês internos atuantes na apuração de desvios, a abertura de canais de comunicação em que os colaboradores se sintam à vontade para fazer denúncias de irregularidades e um constante alinhamento interno podem contribuir para que a empresa seja de fato ética.

No atual contexto, a cultura ética é tão importante quanto os resultados das organizações. Depois da descoberta de tantas ilegalidades no ambiente corporativo, constatou-se que é fundamental uma grande transformação cultural, voltada a ações que minimizem a desconfiança do mercado.

Não podemos esquecer que ser reconhecida como uma empresa ética fortalece a imagem positiva da companhia. Uma boa reputação seguramente resulta em melhoria de resultados já que o mercado – fornecedores e clientes – criam relações de confiança com a organização.

A confiança é conquistada e mantida pela coerência entre o discurso e as ações da empresa. Não adianta ter um quadro afixado na parede com lindas palavras e enganar clientes ou dizer que “os nossos colaboradores são nosso maior ativo” se no dia a dia pouco se faz por eles. Em pouco tempo a máscara cairá.

Já se sabe que mais do que clientes ou fregueses, o que as empresas desejam e precisam são de fãs. Uma conduta ética é fundamental para conquistar a preferência e a admiração do público que se quer atingir. A conquista do respeito do público e dos fãs pode ser a diferença entre sobreviver ou não no mercado.

Flávio Moura é consultor empresarial da Caput Consultoria.