29/09/2014 00:00:00 Bancários entram em greve a partir desta terça

Fonte: Fábio Calsavara/Jornal de Londrina

Mais uma vez, repetindo o calendário dos últimos seis anos, os bancários de Londrina e região vão aderir à greve nacional da categoria. A paralisação está marcada para esta terça-feira (30). O reajuste de 12,5% nos salários está entre as reivindicações da categoria. A proposta não foi atendida pelos bancos, que se mostraram favoráveis a um aumento de 7,35%.

De acordo com o presidente do sindicato dos bancários em Londrina, Wanderley Crivellari, a greve tem se mostrado a única forma de atingir os objetivos da categoria. “Desde 2004 estamos conseguindo aumento real nos salários, além da inflação. Mas isso só vem após manifestações e greve. É uma disputa feroz”, avaliou.

Crivellari disse que uma assembleia está marcada para a tarde desta segunda-feira (29) para definir detalhes da ação. A abrangência da greve, ele confirmou, só poderá ser avaliada a partir do primeiro dia da paralisação. O atendimento a aposentados e pensionistas será garantido.

“Temos que fazer esse contingenciamento, mas é só o que podemos garantir. Sempre há transtornos. Minha recomendação é que as pessoas antecipem os serviços bancários”, disse Crivellari. Ele comentou que não há como garantir que os caixas eletrônicos continuem a ser abastecidos e que os depósitos sejam compensados durante a greve.

Porém, de acordo com determinação do Procon de Londrina, o funcionamento dos caixas eletrônicos para pagamentos, saques e depósitos, assim como o abastecimento de cédulas e envelopes são serviços essenciais e devem ser mantidos. O diretor do Procon Londrina, Rodrigo Brum Silva, publicou duas notas no site oficial do órgão; uma dá orientações aos clientes a respeito de vencimentos de contas; outra estabelece o que deve ser mantido no atendimento dos bancos.

Movimento deve aumentar nas lotéricas

Com a greve nos bancos, boa parte dos serviços que seriam realizados nas agências vai para as casas lotéricas. Na avaliação o presidente do Sindicato dos Empresários Lotéricos do Paraná (Sinlopar), Aldemar Mascarenhas, o aumento na procura deve ser de 20%.

“Hoje, mais da metade do serviço em uma lotérica se refere ao recebimento de títulos e contas. Todos os anos são assim, a gente acaba suprindo essa lacuna”, avaliou Mascarenhas. Ele ainda não havia sido informado oficialmente sobre a greve até a manhã desta segunda-feira (29).