30/01/2015 00:00:00 COMPROMISSO FIRMADO - Deputados eleitos pela região de Londrina prometem defender demandas locais

Por Cristiane Oya

No próximo dia primeiro de fevereiro, senadores e deputados estaduais e federais dos 26 estados brasileiros e do Distrito Federal, iniciam os quatro anos de mandato para os quais foram eleitos em outubro passado.

Entre os 30 deputados federais pelo Paraná, Londrina conseguiu eleger três representantes. O experiente Luiz Carlos Hauly (PSDB), que assume agora o sétimo mandato na Câmara, o petebista Alex Canziani, que inicia seu quinto mandato na Casa, e Marcelo Belinati (PP), que estreia este ano no Legislativo federal.

Já para a Assembleia Legislativa, dos 54 deputados, a região de Londrina elegeu três representantes: o médico londrinense Tercílio Turini (PPS), que foi reeleito, e os novatos Tiago Amaral (PSB) e Devanil Reginaldo da Silva, do PSC, conhecido como Cobra Repórter.

Em meio à crise econômica, com a iminente recessão em âmbito federal, e os problemas de caixa no governo do Estado, os deputados paranaenses ouvidos pela Revista da Acil foram unânimes em apontar a preocupação com as finanças públicas e a necessidade de buscar caminhos para o desenvolvimento de Londrina e região.

Para o economista Luiz Carlos Hauly, "2015 será um dos anos mais difíceis da história brasileira". Diante dessa perspectiva, o tucano promete intensificar a fiscalização sobre o governo. "Estamos em um momento gravíssimo do ponto de vista da economia, que vai muito mal, as contas públicas, a balança comercial negativa, a inflação voltou a subir. Estaremos bastante atentos", afirmou. "E do outro lado, combatendo ferozmente a corrupção que tomou conta da Petrobras e boa parte do governo, além de defender a micro e a pequena empresa, a educação, a saúde pública e a nossa atuação para trazer recursos para Londrina e região", complementou.

Hauly ainda destacou a necessidade de dar posseguimento aos avanços no sistema tributário. "Na Câmara, sou autor e relator do projeto que amplia os benefícios aos microempresários e sou autor do projeto de reforma tributária com inclusão social. Minha luta é por uma reforma tributária que coloque o Brasil ao lado dos principais países do mundo, adequado para o desenvolvimento econômico", afirmou.

Para Hauly, a industrialização da região deve contar com o envolvimento da sociedade e do poder público. "Deve ter o envolvimento dos prefeitos e dos vereadores com a sociedade civil organizada, com as entidades atuantes, como a Acil, a Sociedade Rural do Paraná."

O estreante em Brasília, Marcelo Belinati (PP), também quer ouvir os anseios da população para definir pautas na Câmara Federal. "Ser em Brasília um representante de Londrina e da região Norte, cobrando recursos. Quero uma parceria, discutir com a sociedade as grandes questões que possam impulsionar o comércio, a indústria que agrega valor e faz nossas cidades crescerem."

Marcelo Belinati propõe a formação de um fórum de discussão envolvendo todos os níveis governamentais e a sociedade. "É prioritário que se elejam prioridades, que se envolva toda a sociedade civil organizada, a população. Precisamos ter projetos e tendo as prioridades vamos fazer a articulação política para conseguir viabilizá-los. A gente precisa fazer esse trabalho de articulação não só da classe política, mas da sociedade civil organizada. Acredito que a Acil possa liderar esse fórum de discussão", sugeriu. "A gente precisa se unir. Londrina é forte na prestação de serviços, só precisa organizar a coisa e ter união para colocar Lonrina nos trilhos, fazer a cidade voltar a crescer e se desenvolver. Ccrescimento econômico redunda em crescimento social, na qualidade de vida da população. Para que Londrina cresça em outros setores também, fortaleça a industrialização, tem que fazer receita, com crescimento econômico efetivo."

Outro foco de atuação do deputado deve ser a reforma tributária. "Como profissional liberal, não aguento mais pagar impostos. Sou contra todo e qualquer aumento de imposto e acredito que temos que rediscutir a carga tributária", afirmou. 

Já o petebista Alex Canziani aposta na captação de recursos externos para viabilizar projetos para a região. Segundo o deputado, um projeto em andamento que busca um vultoso financiamento junto ao Banco Mundial promete ser um "grande vetor de desenvolvimento" para a região de Londrina. "Estamos trabalhando para viabilizar recursos junto ao Banco Mundial para projetos de desenvolvimento econômico e mobilidade urbana. Está bem encaminhado. Estamos pensando não só na cidade de Londrina, mas na região" explicou. "Nessa linha, vamos buscar a tecnologia da informação e comunicação para desenvolver as cidades, a geração de empregos. Mas um sonho que eu tenho no meu mandato, é viabilizar uma nova universidade federal aqui no Norte do Paraná", complementou.

Canziani também aposta na amizade com o novo ministro do Comério, Armando Monteiro, para abrir portas aos investimentos e à industrialização. "Tenho uma relação pessoal com ele, uma condição boa para interagir e buscar apoio para a região."

Assembleia Legislativa

Em seu primeiro mandato eletivo, Tiago Amaral (PSB) aposta na formação acadêmica e na experiência adquirida como Controlador-Geral do ParanaCidade, órgão ligado à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano, como base para a sua atuação na Assembleia Legislativa. Formado em Direito com especialização em Gestão Pública, o herdeiro político do ex-deputado estadual e conselheiro do Tribunal de Contas do Estado Durval Amaral, quer trabalhar na melhoria da qualidade dos serviços públicos e na recuperação da credibilidade da política.

"Fui percebendo que o principal problema da administração pública é apresentar qualidade no serviço público, com as respostas esperadas pelo setor produtivo principalmente voltada à infraestrutura logística, a falta de agilidade de órgãos públicos em conseguir liberar certidões, licenças, pareceres, que possam autorizar o funcionamento das empresas. O principal problema é a dificuldade na modernização da gestão pública", apontou. De acordo com o deputado, algumas cidades não conseguem captar recursos porque não há o acompanhamento do desenrolar do projeto. "Queremos dentro do nosso gabinete montar uma equipe que possa auxiliar os municípios a captarem essas verbas de forma mais célere."

Tiago Amaral aponta a necessidade de fiscalização do governo tanto em relação aos eventuais atos de corrupção, quanto da correta aplicação dos recursos públicos. "Fiscalizar a eficiência da administração pública, que é aplicar o dinheiro público na melhor forma possível. A sociedade, muitas vezes, acha que a política não tem jeito e tende a se afastar dela. Mas a política é o unico instrumento de transformação capaz de fazer a diferença", finalizou.

O também estreante na política, Cobra Repórter afirma que as necessidades das pessoas vão definir a pauta do seu trabalho no Legislativo paranaense. "Principalmente na área da Saúde, que tem uma deficiência muito grande, e os problemas de segurança, que conheço bem. Na área da Saúde sabemos quais são os problemas, a falta de estrutura, de investimentos, as dificuldades que os hospitais da região enfrentam."

Para atender as demandas na área da industrialização, o deputado disse que já designou um assessor especial. "Vamos ter na nossa equipe de trabalho uma pessoa para trazer empresas para a nossa região, fazer os contatos com as empresas e a Acil também terá o nosso apoio", afirmou.

Cobra ainda destaca a necessidade de investimentos em logística. "Precisamos do apoio do governo do Estado, do governo federal, para resolvermos o problema do aeroporto, da duplicação da PR-445 até Mauá da Serra. O desenvolvimento da região depende de logística e com certeza, o governo vai ser sensível porque não adianta tapar o sol com a peneira", concluiu.

A duplicação da PR-445 até Mauá da Serra também será uma das bandeiras do deputado estadual reeleito Tercílio Turini. "Desde que assumi na Assemblea, verifiquei que existiam demandas, revindicações antigas  da nossa cidade e região que não estavam sendo trazidas para o debate, como a duplicação da PR-445 entre Londrina e Mauá. Londrina tem só uma saída para Curitiba e não é duplicada. Deveria ter sido duplicada há muito tempo. É uma batalha que com doas as entidades vamos ter que enfrentar a partir de 2015", afirmou.

Neste segundo mandato, Turini também promete empenho na atração de investimentos para a região Norte do Estado. "O governo tem um programa muito bom de incentivo que é o Paraná Competitivo que atraiu R$ 35 bilhões de dinheiro privado. O que acontece é que as grandes empresas se instalam ou na Capital ou nos Campos Gerais. Temos que dar incentivos diferenciados para quem quer se instalar no interior", defendeu.

Na avaliação de Turini, as dificuldades de caixa do governo do Estado são reflexo do descontrole nas despesas. Como médico, a preocupação se volta ainda para a área da Saúde. "Vamos trabalhar para verificar a locação do volume de recursos na Saúde, se vamos atender a meta de 12% do orçamento", concluiu.