10/04/2019 08:50:46 Empreender com os pés no chão

Fonte: Folha de Londrina

Ter o próprio negócio mesmo sem recursos para isso é possível. Essa é a mensagem que um programa de capacitação quer levar à população de jovens sem emprego e que precisam de um meio para se sustentar. Um programa federal pretende fazer com que jovens em situação de vulnerabilidade social “criem” seu próprio emprego através do empreendedorismo. A primeira das 4 mil turmas do programa deu início às aulas nesta terça-feira (9), em Londrina. Trata-se de uma capacitação, com duração de cinco dias, com metodologia validada em 11 países. O objetivo é que os jovens saiam da capacitação já com um plano de negócio em mãos. 

O Brasil Mais Empreendedor é um pacto de cooperação firmado entre a Besouro – Agência de Fomento Social, do Rio Grande do Sul, criadora da metodologia do programa -, e Conaje (Confederação Nacional de Jovens Empresários), que inclui a Faciap Jovem (da Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Paraná) a ACIL Jovem (da Associação Comercial e Industrial de Londrina). Por meio desse pacto, instrutores da agência de fomento social vão capacitar 100 mil jovens de 16 a 39 anos em todo o Brasil. 

Depois dos cinco dias de capacitação, os jovens passam para o período de incubação, que dura 12 meses. Nesse período, os consultores da Besouro acompanham o negócio à distância, por telefone, WhatsApp ou qualquer outro meio. 

Segundo Nonohay, a maior dificuldade é convencer os jovens de que eles são capazes. “A gente não está querendo ter uma startup aqui dentro. A gente está aqui exatamente para mostrar para eles que eles têm como fazer um negócio mesmo vindo de uma comunidade carente.” A agência de fomento social mostra que os jovens podem empreender, mesmo sem ter recursos financeiros para isso. “Em nenhum momento vou orientar eles a buscarem crédito, investidor, porque para eles às vezes isso é muito longe, distante. Eu tenho que trabalhar com aquilo que eles têm”, explica Guilherme Nonohay, instrutor da Besouro.

A fonte de recursos e os parceiros de negócios podem estar na própria vizinhança: na mercearia que faz vendas pelo caderninho e que pode fornecer os insumos para a produção de salgados, por exemplo. “A coisa que a gente mais incentiva é que eles (empreendedores) conversem com esse parceiro de negócio para que ele consiga comprar os insumos que precisa para fazer salgadinho, tapioca, espetinho. Mesmo que ele só consiga o suficiente para fazer dez unidades hoje, da venda consegue fazer 20, 30 e criar um negócio que no final da semana vai estar dando 300, 400, 500 reais líquidos”, comenta Nonohay.

A Besouro também estimula os jovens a seguirem seus sonhos, mas a começarem com algo que pode ser alcançado em um curto período de tempo. “Se ele tem forno em casa e sabe fazer bolo, então vamos fazer bolo e vender fatias de bolo”, exemplifica o instrutor da agência. O negócio “alcançável” pode ser um pontapé inicial para o jovem atingir o seu sonho maior, de conseguir dinheiro próprio para investir em um outro negócio, pagar faculdade, se formar e trabalhar em uma grande empresa ou comprar um carro, por exemplo. A taxa de sucesso da metodologia da Besouro é de 70%, ou seja, a cada dez jovens capacitados, sete abrem seu próprio negócio.


Alternativa para o desemprego com futuro promissor

O autônomo Caleb Pereira dos Santos já trabalhou na construção civil, fez curso de eletricista predial, mas não consegue encontrar trabalho. “Hoje não estou mais trabalhando porque está muito difícil. Você vai atrás e está complicado. Eu estou parado no momento, sem recurso nenhum por estar sem saída”, desabafa. No ano passado, ele fez um curso de manutenção e conserto de aparelho celular e, com o pouco dinheiro que tinha, comprou dois aparelhos quebrados, consertou e vai vender pela internet. “Vou vender e dali iniciar meu negócio. Com esse dinheiro que conseguir, tirar meu lucro, capital, e comprar outros aparelhos para fazer um novo conserto e continuar com isso.”

Estiverson Segantin Rodrigues é pedreiro e trabalhava na construção civil, mas perdeu o emprego junto a outros colegas. “Arrumei um emprego no frigorífico onde estou até hoje. Mas devido a um acidente de trabalho perdi meu dedo e agora a gente tem que se reinventar né. Estou no seguro, mas assim que resolver a situação desejo trabalhar por conta como empreendedor”, diz. Com a  experiência obtida trabalhando na construção civil, Rodrigues quer  iniciar um negócio de marido de aluguel. 

A estudante Vanessa Almeida é formada em estética e faz atualmente um curso técnico na área de nutrição. Na época que fez o curso de estética, ela criou nas redes o perfil @esteticadadepressao, que mescla estética e humor e conseguiu seguidores. Hoje, a estudante planeja transformar isso em uma fonte de renda com a venda de artigos relacionados à estética. “Acredito que o empreendedorismo pode me levar a lugares onde o profissionalismo dentro de uma empresa não vai conseguir me levar”, diz.

Para Marcelo Quelho, presidente da Conaje, o empreendedorismo é uma maneira de o jovem criar seu próprio emprego em um cenário de alto desemprego. “A nossa juventude atual tem muito esse sonho de protagonismo. Isso é algo que a gente empodera para que eles empreendam não para gerar 10, 20, 50 empregos, mas para gerar a vaga deles. A gente nunca viu tanto desemprego entre os jovens. Em vez de tentar mostrar que o caminho é buscar uma vaga, a gente inverte esse ponto de vista: porque você não gera a sua própria vaga a partir do talento que tem?”