25/04/2017 07:44:14 Funcionários são convocados para "salvar" Sercomtel

Fonte: Folha de Londrina

Em reunião realizada com os colaboradores nesta segunda-feira (24), conforme adiantou a FOLHA, a Sercomtel apresentou um passivo de R$ 811 milhões. O valor é 2,6 vezes maior que o total de ativos registrados no balanço da empresa de 2016 (R$ 309 milhões). Estão na conta, entre outros passivos, um prejuízo histórico acumulado pela telefônica de R$ 190 milhões e a soma de valores de todas as ações judiciais movidas contra ela, inclusive as que têm remotas chances de serem perdidas. 

O objetivo da reunião foi chamar a atenção dos funcionários sobre a situação complicada da companhia. "A Sercomtel vive hoje a maior crise de sua história", afirmou o presidente Luiz Carlos Adati. "Essa é a hora da mudança. Cada um de nós precisa sair daqui com uma missão bem definida: temos de salvar esta empresa. Vamos tirar a Sercomtel do fundo do poço", declarou ele para os colaboradores que lotaram o auditório do Parque de Operações no bairro Cervejaria (zona Leste). 

Adati disse que a empresa vem enfrentando dificuldades há muito tempo, situação que foi agravada pela crise econômica do País. Ele afirmou que, no ano passado, o setor de telecomunicações perdeu 13,7 milhões de linhas de telefonia celular. 

Também presente na reunião, o prefeito Marcelo Belinati (PP) começou seu discurso dando um recado para os "boateiros": "A Sercomtel não vai ser vendida", declarou ele recebendo aplausos dos funcionários. 

Para Belinati, a operadora é o "grande diferencial" de Londrina. "Nenhuma cidade do mundo tem uma empresa de tecnologia. É um grande catalisador de desenvolvimento da cidade. Temos de ter criatividade e inovação para aumentar a receita e torná-la sustentável", disse. 

A partir de reuniões realizadas em janeiro com os colaboradores, a atual administração definiu uma meta de economizar R$ 36 milhões por ano, ou R$ 144 milhões em quatro anos. Mas ainda não há uma meta definida para expansão do faturamento. Tanto o prefeito como o presidente apostam na ampliação da área de atuação das empresas coligadas Sercomtel Contact Center (antiga Ask!) e Sercomtel Iluminação para ajudar a salvar o grupo. "Acho que a Sercomtel pode oferecer serviços de iluminação fora de Londrina a preços mais competitivos que a concorrência", disse Belinati. 

Adati deu exemplo de providências que já estariam sendo tomadas para cortar despesas. "Estamos revisando todos os contratos. Estamos fazendo varredura nas ações trabalhistas", destacou. Segundo ele, a meta de economia não inclui redução de pessoal. Questionado em entrevista coletiva realizada após a reunião se acredita ser possível salvar a empresa sem cortes na folha da pagamento, o presidente respondeu: "Tudo é possível. Naturalmente nosso pensamento não é demitir pessoas." 

Outra aposta da empresa para tentar solucionar seus problemas financeiros é a renegociação de dívidas tributárias com o Município e o Estado. Em relação ao Município, o prefeito afirmou haver pendências de ambos os lados. Segundo a apresentação feita nesta segunda-feira, a Sercomtel deve R$ 120 milhões em impostos à Prefeitura. No balanço de 2016, consta uma dívida dos sócios de R$ 23,8 milhões com a operadora. O Município detém 55% das ações da telefônica e a Copel, 45%. 

De acordo com o presidente Luiz Carlos Adati, a companhia paranaense de energia está ciente da situação de sua sócia, já que conta com representantes nos conselhos de Administração e Fiscal da Sercomtel. A reportagem pediu uma entrevista na Copel, mas, segundo a assessoria, a empresa não se pronunciaria a respeito.