12/09/2018 08:04:17 Grupo gestor da Nova Sergipe vai a São Paulo em missão técnica

Fonte: Redação Sebrae

Nove integrantes do grupo gestor do projeto Nova Sergipe, de Londrina, estiveram em São Paulo, no mês de agosto, para participar de uma missão de benchmarking, ou seja, busca das melhores práticas do mercado para serem replicadas nas empresas locais. Em dois dias, eles visitaram o OasisLab, Distrito, Prova e o Cubo, do Itaú, referências em tecnologia e inovação. O objetivo foi conhecer tendências e novidades apresentadas por startups e estudar o que pode ser implantado na rua Sergipe, dentro do Projeto de Revitalização de Espaços Comerciais desenvolvido em Londrina. 

O OasisLab é um espaço de inovação especializado em varejo, que gera oportunidades de negócios por meio da conexão de startups, varejistas, empresas globais, investidores, associações e universidades. Já o Distrito é uma plataforma de inovação para startups, corporações e investidores. O Prova funciona como um laboratório de conexão, aprendizado, experimentação e difusão da cultura de inovação, dedicado a desenvolver soluções para o setor varejista. E o Cubo é o maior centro de empreendedorismo tecnológico da América Latina, que conecta empreendedores, grandes empresas, investidores e universidades para discutir sobre tecnologia, inovação, novos modelos de negócios, novas formas de trabalhar em diferentes áreas. 

O consultor do Sebrae/PR, Rubens Negrão, explica que o setor varejista londrinense, responsável por movimentar boa parte da economia local e atrair consumidores de toda a região, passa por um momento de reinvenção. “Para conectar o setor varejista ao cenário de inovação, o grupo foi conhecer experiências em São Paulo que podem ser aplicadas em Londrina”, afirma. Agora, aquilo que o grupo viu na capital paulista será colocado em pauta nas reuniões da governança. “Estamos direcionando o planejamento estratégico para a inovação. Queremos que a Sergipe se torne um laboratório de tecnologia a céu aberto”, revela. 

O empresário da rua Sergipe e diretor comercial da Associação Comercial e Industrial de Londrina (Acil), Angelo Pamplona da Costa, diz que a missão foi importante para entender como grandes empresas estão usando as startups para desenvolver soluções para as principais “dores” dos negócios. “Ainda não tinha visto nada parecido no varejo de Londrina”, conta. Ele lembra que, apesar de a revitalização da Sergipe ainda não ter sido completamente concluída, os projetos já estão prontos. Por isso, é necessário dar um passo a frente e a busca de novas tecnologias passou a ser o foco do trabalho. 

A proprietária de uma loja de bijuterias e cosméticos da Sergipe, Solange Aparecida Pereira Ramalho, que esteve na missão, foi inspirada pelo que viu em São Paulo e, no retorno a Londrina, tirou uma ideia antiga do papel. Ela passou a oferecer internet grátis aos consumidores mediante o check-in(registro) nas redes sociais. Desta forma, a empresária agora tem acesso a uma série de informações importantes não só sobre o perfil dos clientes, mas também dos horários de maior movimento, número de pessoas que entram no estabelecimento, entre outros dados. “Com o aumento do cadastro, posso enviar e-mail marketing e criar outras estratégias de vendas”, aponta. E a boa notícia é que essa inovação custou menos do que ela imaginava. “Dá para inovar sem gastar muito”, garante. 

A diretora administrativa do Sindicato do Comércio Varejista de Londrina e Região (Sincoval) e membro do grupo gestor do projeto Nova Sergipe, Julia Sato Ribeiro, diz que a visita aos ecossistemas de inovação focados em varejo foi interessante para conhecer, na prática, como as startups podem atuar como parceiras dos empresários. “Temos que apresentar essas oportunidades aos lojistas e promover uma aproximação das startups focadas em varejo com os comerciantes da cidade”, sugere. 

O Projeto Nova Sergipe, de Revitalização de Espaços Comerciais em Londrina, é conduzido pela Fecomércio PR, Sebrae/PR, Sincoval, Acil, Prefeitura de Londrina, Rede Massa, Massa FM, Inesul, Unifil, Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) e empresários da rua.