27/10/2014 00:00:00 Jovens têm menos controle sobre gastos


Os jovens são aqueles que admitiram ter mais dificuldades de lidar com as finanças em pesquisa realizada pela SerasaConsumidor (braço da Serasa Experian voltado para o consumidor). De acordo com a pesquisa, 40% dos jovens entre 16 e 24 anos admitem não manter a vida financeira sob controle. O índice de pessoas que diz ter controle sobre os gastos aumenta conforme a faixa etária: entre os respondentes com 25 a 34 anos, este índice é de 62%; entre os de 35 a 44, de 67%, entre os de 45 a 54, de 67%, e entre aqueles com 55 ou mais, de 75%. 

"Nessa idade, os jovens não têm uma renda muito grande. Eles ainda estão tentando entrar no mercado de trabalho ou estão em um emprego temporário, e muitos postergam o trabalho para poderem estudar", afirma Júlio Leandro, superintendente do SerasaConsumidor. Ao mesmo tempo, os jovens têm um desejo muito grande de consumo, são seduzidos e impressionados muito facilmente, e além disso, têm dificuldades de postergar o consumo. Ao invés de aguardarem por um momento em que poderão comprar um produto à vista, preferem pagar parcelado, cedendo ao imediatismo. "E por serem mais novos, eles têm menos experiência com finanças", finaliza o superintendente. 

Estes são os motivos pelos quais os mais novos são aqueles que mais admitiram ter dificuldades de lidar com o dinheiro, diz Leandro. Larissa da Silva Torres, de 19 anos, conseguiu seu primeiro emprego este ano. Pela primeira vez, tem um dinheiro só seu, que usa para comprar o que deseja. Mas admite que não tem muito controle sobre os gastos. "Não controlo. Ainda mais com cartão de crédito. Minha mãe que me ajuda." Quando o assunto é livros, a estudante Daiane Zanqueta, de 21 anos, também afirma sentir dificuldades de controlar os gastos. "Com roupas até que sou mais controlada, mas com livros não. Sempre compro e tenho uns que nem li ainda." 

Para o economista Antônio Zotarelli, professor do departamento de Economia da Universidade Estadual de Maringá (UEM), "não é surpresa" que os jovens admitam ter pouco controle sobre a vida financeira. Na sua opinião, os pais não estão passando para os filhos conceitos importantes como responsabilidade, estão cedendo demais aos seus desejos, e fazendo pouco para que eles se motivem a alcançar seus sonhos por conta própria. "Para eles (os jovens), as coisas 'caem do céu'." Zotarelli também é coordenador de um projeto de extensão de Finanças Domésticas Sustentável na UEM. 

Na sua visão, apesar das conquistas da Estratégia Nacional de Educação Financeira (ENEF) – uma política nacional que promove ações relacionadas a este tema -, a educação financeira no Brasil ainda é "irrisória". Segundo ele, esta educação deve começar "em casa" e continuar na escola. "Tem uma frase de Abraham Lincoln que sempre gosto de citar: 'Não poderás ajudar os homens de maneira permanente se fizeres por eles aquilo que eles podem e devem fazer por si próprios'."