25/08/2014 00:00:00 Londrina declara guerra às formigas

Fonte: Fábio Galão/Folha de Londrina

Integrantes do projeto Viva Londrina, ação de voluntariado apoiada por entidades representativas, empresas e órgãos do poder público, estiveram ontem pela manhã na área verde ao redor do Lago Igapó para orientar a comunidade sobre formas de controlar as formigas cortadeiras. 

Segundo o engenheiro agrônomo Pedro Francio Filho, um dos voluntários, a cortadeira está presente em todas as áreas verdes londrinenses, em muitos casos causando danos severos a árvores e outras plantas. Em situações mais extremas, podem levar à morte da espécie atacada. 

"Eu diria que hoje, num patamar de gravidade entre zero e 10, a situação nas áreas verdes de Londrina está em 9", afirmou. O grupo planeja manter atividades de controle no Igapó nas próximas semanas, e quer que a comunidade ajude nesse trabalho. "A ideia é que cada um 'adote' um formigueiro", explicou o engenheiro agrônomo. 

A orientação foi feita porque, de acordo com Francio, mesmo quem procura tomar medidas para controle de cortadeiras acaba cometendo erros por desconhecimento: compra de produto inadequado, dosagem errada. 

Para o controle das cortadeiras, deve ser utilizada isca formicida granulada. O primeiro passo é calcular a área de terra solta pela ação das cortadeiras. A cada metro quadrado de terra solta, devem ser aplicados entre 10 e 30 gramas de isca. A aplicação deve ser feita diretamente das embalagens, sem contato com as mãos, ao longo dos carreiros (trilhas feitas pelas formigas) e a 20 centímetros dos olheiros, os buracos dos formigueiros. 

Para as ações no Igapó, o Viva Londrina vai utilizar formicida disponibilizado por uma empresa. Quem sofre com o problema em casa ou na sua propriedade rural pode comprar o produto em casas agropecuárias. 

O aposentado Sebastião Macedo soube do evento e foi buscar orientação porque tem percebido a ação das cortadeiras nas árvores do seu sítio, entre Sertanópolis e Bela Vista do Paraíso (Região Metropolitana). Já tentou fazer o controle antes, mas não deu certo porque o produto que comprou foi ineficiente. "Por um tempo, parece que resolve, mas depois elas voltam", lamentou.