07/08/2017 08:34:29 Londrina ganha escritório de centro federal de tecnologia

Fonte: Folha de Londrina

Foi publicada nesta quinta-feira (3) no Diário Oficial da União, a portaria 4.322, pela qual o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações autoriza a instalação de um escritório do Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI Renato Archer) em Londrina. Com sede em campinas, o CTI é um órgão da administração direta da União, criado em 1982. É um de 22 centros brasileiros de desenvolvimento setorial, como o INPE e o INPA, relacionados respectivamente à pesquisa espacial e à matemática aplicada. Além de Campinas, somente Fortaleza, no Ceará, conta com um escritório da instituição.

"A vinda do CTI é mais uma importante conquista para Londrina. Consolida ainda mais nossa cidade como um grande polo de tecnologia de informação e cria as condições para que recebamos investimentos, além de propiciar a vinda de empresas gerando emprego e renda", comemorou o prefeito Marcelo Belinati (PP). A Prefeitura espera que o CTI, que será instalado no Parque Tecnológico Francisco Sciarra (zona leste), esteja funcionando até o fim do ano. 

O coordenador geral de Competências Institucionais do CTI, Cláudio Romanelli, explica que um dos motivos que pesaram para a escolha de Londrina foi a organização do setor na cidade. "A existência de um Arranjo Produtivo Local (APL) de TI organizado foi uma das coisas que pesaram", afirma. Ele também cita a Sercomtel. "O fato de a cidade ter a única empresa pública de telecomunicações do País também foi levado em conta." 

Através da rede da telefônica municipal, ele acredita ser possível desenvolver soluções relacionadas à internet das coisas. "A União Europeia tem desenvolvido muitos projetos de internet das coisas voltados aos serviços públicos", alega. Como exemplo, ele cita soluções para o tráfego urbano, que poderiam ser desenvolvidas em conjunto entre o CTI e a Sercomtel. "Podemos trabalhar no desenvolvimento de políticas públicas, de atendimento ao cidadão", declara. 

O coordenador diz que a "agenda de implantação do centro depende de Londrina". "Iremos para aí assim que (o local) estiver pronto." Questionado sobre qual a estrutura que o CTI terá quando iniciar suas atividades na cidade, ele afirma que ainda não é possível responder "precisamente" à essa pergunta. Mas diz que o processo deverá ser parecido com o realizado em Fortaleza, há 10 anos. "No começo, um dos nossos pesquisadores passará 15 dias aí e 15 dias em Campinas para podermos levantar as demandas da região". 

De acordo com Romanelli, meses depois de o escritório ter sido instalado na capital cearense, foi realizado um concurso para contratar servidores. "Hoje são três pesquisadores que estão lotados lá. Realizam projetos de cerca de R$ 20 milhões por ano." 
A autorização para o escritório de Londrina foi assinada pelo ministro Gilberto Kassab na quarta-feira (2), em Brasília. Além do prefeito Belinati, participou da cerimônia o deputado federal Alex Canziani (PTB). 

INOVAÇÃO 
O presidente do APL de TI, Roberto Nishimura, diz que o setor se uniu para convencer o CTI de que a cidade era a melhor do Sul do País para receber um escritório. "O pessoal do centro visitou várias cidades, como Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre. E nos escolheram depois de se reunirem com o APL e visitarem várias empresas da área", explica. 

Para Nishimura, que também é presidente da Sercomtel Participações, com o CTI, Londrina poderá desenvolver produtos de vanguarda. "Eles foram os responsáveis pelo desenvolvimento da tecnologia das urnas eletrônicas no País. Hoje, desenvolvem, por exemplo, um painel de captação de energia solar cuja proposta é substituir todo o telhado das casas", justifica. De acordo com ele, o órgão ajudará a "abrir as portas" para financiamentos de projetos às empresas de TI da região. 

O presidente do sindicato do setor, o Sinfor, Marcus von Borstel, também comemorou a escolha da cidade. "Será fundamental para enriquecer o nosso ecossistema de inovação. Permitirá que Londrina acesse diretamente editais, trazendo para a cidade mais inovação e com isso empreendedorismo", declara. De acordo com ele, trata-se de um "golaço" do APL de TI e de toda a cidade.