15/12/2015 00:00:00 Londrina em oito rankings

Fonte: Jornal de Londrina

Todos os anos, um sem-número de rankings dão informações – algumas relevantes, outras nem tanto – a respeito das cidades. Elaborados por diversas instituições, esses levantamentos ajudam a identificar as características e necessidades dos municípios, em quê eles são melhores que os outros e em quê precisam melhorar para ser um bom lugar para seus habitantes. Assim como qualquer outra cidade, Londrina se destaca de diferentes formas: às vezes positivamente, outras negativamente e, em alguns casos, apenas curiosamente. O JL compilou alguns dos rankings em que Londrina esteve nos extremos das listas em 2015.

Consumo

Um estudo do IPC Maps mostrou que Londrina ocupa o topo do ranking do consumo no interior do Paraná, com 6% do total do Estado. O estudo prevê que neste ano os paranaenses vão desembolsar pouco mais de R$ 239 bilhões com produtos e serviços. Deste total, R$ 155 bilhões serão gastos pelos moradores do interior e R$ 14 bilhões pelos londrinenses. Isso mostra a importância da cidade no mapa do consumo.

Imóveis

Uma pesquisa realizada pela consultoria Prospecta Inteligência Imobiliária e divulgada pelo portal da revista Exame apontou Londrina como a melhor cidade no Paraná para se investir em imóveis. O estudo, que analisou 94% dos municípios brasileiros, também apontou que a cidade ocupa a 18ª posição da lista das 100 cidades que devem despontar no cenário imobiliário brasileiro nos próximos meses e anos.

Saneamento básico

No ranking anual do Instituto Trata Brasil, com as cem cidades brasileiras com o melhor sistema de saneamento básico, Londrina atualmente ocupa a 4ª posição. O levantamento tem como base números do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento e traz a situação do acesso da população aos serviços de água tratada, de coleta e de tratamento de esgoto. De acordo com o estudo, Londrina atende 97,6% dos imóveis com rede de esgoto e 85,99% com esgoto tratado.

Ensino

o Ranking Universitário Folha (RUF) 2015 considerou a Universidade Estadual de Londrina (UEL) a melhor universidade estadual do Paraná. No ranking geral nacional, a UEL foi considerada a 13ª melhor instituição de ensino superior do país no quesito ensino. A universidade obteve 81,88 pontos na média geral, um crescimento de quase 37% em relação à avaliação de 2012, quando recebeu nota 59,96. Na classificação geral – que também considera outros quatro critérios: pesquisa, mercado, inovação e internacionalização –, a UEL ficou em 23º lugar entre cem universidades brasileiras. Cinco cursos da UEL foram classificados entre os 10 melhores do país.

Emprego

Em 2015, Londrina ocupou o melhor e um dos piores postos em termos de empregos. Nos primeiros meses do ano, os números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) colocaram a cidade no topo da lista dos maiores geradores de emprego no Paraná, com saldo de 2.930 empregos de janeiro até abril. Mais recentemente, em setembro, no ranking do emprego formal no Paraná, Londrina ocupou apenas a 54ª posição, entre 60 cidades que fazem parte do levantamento.

Transparência

A pesquisa Escala Brasil Transparente, feita pela Controladoria-Geral da União (CGU), apontou que Londrina tem o terceiro melhor portal de transparência do Paraná, de 97 avaliados no Estado. A iniciativa avalia o grau de cumprimento de dispositivos da Lei de Acesso à Informação (LAI), com notas que vão de 0 a 10. Com a nota 8,61, Londrina ficou atrás apenas de Curitiba, que teve nota 10, e Rio Negro, cuja nota foi 9,31. Em nível nacional, a cidade foi a 77ª colocada, de 1.587 municípios brasileiros analisados.

Chuva

Em novembro, numa brincadeira feita pelo Instituto Simepar, Londrina recebeu o título simbólico de cidade mais chuvosa do Paraná naquele mês. Faltando ainda 12 dias para novembro terminar e a cidade já tinha recebido 82% mais chuva do que a média histórica do mês.

“Nerdice”

Uma pesquisa realizada pelo site Amazon mostrou que Londrina é a 11ª cidade no ranking brasileiro da nerdice. O site baseou a pesquisa em uma compilação de dados de compras feitas por moradores de cidades com mais de 100 mil habitantes. Nelas constam livros, quadrinhos e graphic novels associados à cultura nerd. No ranking, a cidade aparece à frente de Curitiba (13ª), Belo Horizonte (14ª), São Paulo (15ª) e Rio de Janeiro (18ª).