30/10/2015 00:00:00 Souvenirs: Identidade Pé-Vermelho

Fonte: Thamiris Geraldini - Revista Mercado em Foco - ACIL

A materialização de uma experiência turística é quase uma extensão de cada novo local visitado. Quem nunca esteve em uma determinada cidade, seja nas férias, a passeio ou a negócios, e não quis levar para casa alguma “lembrancinha” como recordação daquele lugar? Os produtos locais servem como uma forma palpável de guardar as lembranças da viagem que ficaram na memória. Foi pensando nisso que o projeto SouLondrina se tornou uma realidade.

“SouLondrina é um projeto que apoia a criação de souvenires com identidade local, servindo como objetos representativos da cidade que possam preservar e resgatar memórias de quem já esteve aqui ou até para quem, em passagem pela cidade, quer levar um pedacinho de Londrina para presentear alguém que ainda não esteve aqui”, explica a consultora do Sebrae Simone Millan Shavarski.

O projeto, de iniciativa do Sebrae/PR, Londrina Convention & Visitors Bureal e Instituto de Desenvolvimento de Londrina (Codel), deu a oportunidade de londrinenses apresentarem produtos, artesanais ou industrializados, que remetessem à identidade dos pés-vermelhos e pudessem ser comercializados como uma lembrança da cidade, principalmente aos turistas.

O processo para seleção de produtos teve início em dezembro do ano passado. Com todas as etapas, entre edital de chamamento, inscrição de produtos, treinamento e produção, concluídas, a previsão é de que os 45 produtos selecionados comecem a ser vendidos a partir de novembro. “Tivemos 40 produtos selecionados que passaram pelo processo de treinamento em oficinas. Destes, 23 concluíram as etapas e produziram 45 produtos que serão comercializados pelo projeto em eventos, hotéis, bares e restaurantes credenciados”, disse a consultora do Sebrae.


Cerveja artesanal

A cervejaria Von Borstel foi uma das participantes que teve um produto selecionado para a comercialização dentro do projeto SouLondrina. Com cervejas artesanais que seguem características da escola europeia cervejeira, os produtores desenvolveram a exclusiva Little London para participar do projeto. Do nome ao sabor, a cerveja é inspirada na influência dos ingleses na criação de Londrina.

“Desenvolvemos a Little London para levar para casa, em embalagens menores de 300 ml. A cerveja é uma English Pale Ale, um popular estilo inglês de alta fermentação, cor acobreada e pouca espuma. Na embalagem do produto escolhemos a frase 'Leve um gole de Londrina', que tem muito a ver com a ideia do projeto”, conta o proprietário da cervejaria, Marcus Von Borstel.

Na opinião dele, o SouLondrina deu a produtores locais a oportunidade de mostrar um pouco do que a cidade tem para oferecer. “Desde o princípio eu acreditei no projeto, fui um dos primeiros inscritos. Ter a oportunidade de desenvolver uma cerveja dentro de um souvenir para a cidade foi uma experiência ótima. O SouLondrina foi uma oportunidade de mostrarmos o que a cidade tem e às vezes os próprios residentes nem conhecem”.

Geleia orgânica de café

Outro produto selecionado no projeto SouLondrina é a geleia orgânica de café, desenvolvida pela empresa Artesanu Produtos Orgânicos, de propriedade do casal Leonardo Florencio da Silva Filho e Gisele Bianchini. Todas as etapas de produção do alimento acontecem em uma propriedade rural próxima ao Distrito de Tamarana, onde o casal reside e planta todos os alimentos. “Há uns quatro anos nós iniciamos o trabalho de desenvolvimento do produto tendo como base o café. Inicialmente a ideia era criar a geleia com o café, mas muito pensando no consumo próprio, dada a pequena produção que tínhamos à época”, explica Leonardo.

A ideia deu tão certo que em 2014 os produtores conseguiram lançar oficialmente a geleia com base no café. Assim, quando o projeto SouLondrina surgiu, oportunizando o desenvolvimento de produtos criativos, diferentes e com pegada pé vermelho, o casal resolveu se inscrever. “Nós acreditamos que o produto teria tudo a ver com a ideia. É um alimento diferente, apresentável e o mais importante: traz o café, que tem tudo a ver com a origem de Londrina. Temos certeza de que os turistas que tiverem interesse em levar algo de Londrina para casa aprovarão o sabor e o visual, com embalagens desenvolvida exclusivamente para o projeto”, disse.


Londrina como cidade celeiro de negócios e eventos

O Núcleo de Turismo de Londrina, formado por entidades como o Sebrae/PR, ACIL, Unopar, Londrina Convention Bureau, Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel Londrina) e Instituto de Desenvolvimento de Londrina (Codel), realizou uma pesquisa com o objetivo de mensurar o potencial do segmento de Turismo de Negócios e Eventos na cidade.

O levantamento abrange o turismo a eventos tradicionais em Londrina e região metropolitana, como a Movelpar, ExpoLondrina, Festival de Música, Encontro Anual de Iniciação Científica (EAIC), Vestibular da Universidade Estadual de Londrina, entre outros. Juntos os eventos trazem um retorno financeiro de R$ 34 milhões à cidade, aumentando o faturamento de empresas de hospedagem e alimentação, que representam os segmentos que mais movimentam a economia local em se tratando de turismo.

O estudo ainda aponta que 73,3% dos visitantes que se hospedaram em Londrina são homens, sendo que a maioria (78,5%) possui terceiro grau completo e renda acima de R$ 5 mil por mês (73,4%). Grande parte (71%) veio para Londrina em razão de negócios e eventos e permaneceram na cidade por uma noite (45%), sendo que a média de permanência em Londrina é de 2,8 noites.



Paladar em foco

Depois dos gastos com hospedagem, a alimentação é o segundo setor de maior movimentação turística em Londrina. Neste cenário, festivais gastronômicos têm surgido como uma opção para fomentar a economia.

É o caso do Festival Sabores Pé Vermelho, idealizado pelo Baixa Gastronomia. O evento, que teve início em dezembro do ano passado e já se prepara para a segunda edição este ano, cria uma rota gastronômica em restaurantes da cidade com pratos exclusivos que fortalecem a cultura gastronômica local.

“Num primeiro momento nosso objetivo era desenvolver uma rota gastronômica para que os próprios londrinenses pudessem resgatar a cultura local através do paladar. No entanto, quando fomos fazer a divulgação em hotéis da cidade, percebemos o quanto o nosso público estava muito voltado para os turistas que vêm a Londrina e querem conhecer tudo o que a cidade tem para oferecer. Com a grande adesão dos turistas, o foco da próxima edição mudou; ampliamos o público e queremos garantir que os turistas saiam de Londrina com a sensação de que estar aqui valeu a pena”, disse uma das idealizadoras do projeto, Maria Eduarda Gomes de Oliveira.

Embora o Festival não tenha uma data que coincida com nenhum evento de grande monta na cidade, as idealizadoras acreditam que a cidade atrai turistas, seja a eventos ou negócios, o ano todo. “Londrina é uma cidade com grande potencial em negócios e eventos. As pessoas passam por aqui o ano inteiro sem que a gente perceba. Elas estão o tempo todo em vários lugares, comendo, bebendo, consumindo e geralmente não estão no ‘radar’ dos empreendedores. Nós precisamos olhar para isso com mais atenção e atender esta demanda”, acredita Tatiana Ribeiro, também idealizadora do Festival.