29/12/2014 00:00:00 Metade dos paranaenses guarda dinheiro, mas não sabe como investir

Fonte: JL

Pouco mais da metade dos paranaenses tem o costume de guardar uma parte de sua renda e, entre os que economizam, a grande maioria aplica o dinheiro na caderneta de poupança, opção de investimento mais conservadora do mercado. Além disso, poucos estão pensando na aposentadoria – mesmo quem poupa pensa em gastar suas aplicações no curto ou médio prazo.

As constatações são de um levantamento encomendado pela Gazeta do Povo ao Instituto Paraná Pesquisas, que ouviu 1.530 pessoas em 62 municípios do estado entre o fim de novembro e o início de dezembro.

Conforme a pesquisa, 55,8% dos paranaenses com mais de 16 anos conseguem poupar dinheiro. Destes, 72,4% disseram aplicar suas economias na caderneta, 12,9% afirmaram investir em imóveis e 5,3%, em fundos de investimento. As demais alternativas de investimento foram citadas por 3% ou menos dos entrevistados.

“O porcentual dos que aplicam em poupança é muito alto, talvez porque ainda exista a percepção de que ela é a única modalidade segura, o que não é verdade”, diz Mehanna Mehanna, sócio da Toro Investimentos. “A preferência por imóveis é outro reflexo do conservadorismo das pessoas. O que é curioso, porque imóvel não tem liquidez [não permite o “resgate” imediato do dinheiro] e, a rigor, é uma aplicação de renda variável.”

Informação

O fato de muita gente não conseguir poupar dinheiro – caso de 43,9% dos paranaenses, segundo a Paraná Pesquisas – e de tantos poupadores preferirem opções de baixo rendimento é sintoma de falta de informação e educação financeira, dizem especialistas. Três quartos dos entrevistados não souberam responder, nem aproximadamente, qual o nível da taxa básica de juros (Selic), referência para boa parte dos financiamentos e aplicações. E dois de cada três desconhecem a rentabilidade da poupança.

“As novas gerações tendem a mudar um pouco esse quadro. Hoje mesmo atendi dois jovens, estagiários, que nos procuraram para investir em títulos públicos, do Tesouro Direto”, disse Mehanna na tarde em que conversou com a Gazeta do Povo.

Formado em Administração, Luis Felipe dos Santos Pinheiro, 23 anos, faz parte da minoria que busca informação. Começou a poupar ainda na adolescência, para comprar o primeiro carro, o que conseguiu aos 18 anos. O objetivo, hoje, é de prazo mais longo: “Quero me aposentar o mais cedo possível e viver de renda”, diz.

Pinheiro aplicava na caderneta até que, há dois anos, começou a pesquisar outras opções. Passou a investir em títulos do Tesouro, ações e até debêntures (títulos de dívida privados). Ele costuma guardar 30% da renda quando está trabalhando. Hoje, desempregado, vai estudando. Adepto da análise técnica, que orienta aplicações na bolsa conforme o comportamento dos gráficos, Pinheiro está aprendendo a fazer análise fundamentalista, que tem como base a situação da empresa e do mercado em que atua.

Dicas

O advogado e estudante de Medicina Lucas Khun, 29 anos, diz que a renda fixa é ótima opção em país com juros tão altos quanto o Brasil, mas que no futuro isso pode mudar. Para ele, lugar de jovem é na Bolsa: é lá que estão quase 50% de suas aplicações. A principal dica que ele dá a futuros investidores é fugir dos bancos: “Tem que procurar gente especializada, casas independentes. Gerente de banco tem metas a bater, e oferece investimentos bons para o banco, mas não necessariamente para o cliente”.