13/11/2014 00:00:00 Presentes de Natal devem injetar R$ 115 milhões no comércio da cidade

Fonte: Assessoria ACIL


Entre os dias 4 e 7 de novembro, a LITZ Estratégia e Marketing ouviu 320 londrinenses com mais de 18 anos de todas as regiões da cidade. O resultado da pesquisa encomendada pela ACIL mostra que 57,2% dos consumidores pretendem comprar presentes de Natal em 2014 e que 67,8% vão gastar com alimentos e bebidas para as festas de fim de ano. Só os gastos com presentes devem injetar no comércio da cidade R$ 115, 5 milhões.


O valor médio que cada consumidor deve gastar com presentes é de R$ 491,00 e cada item deve custar em média R$ 127,00. 50,8% dos que vão presentear afirmaram que vão dar presentes para os filhos. No segundo lugar de presenteados vem os pais com 40,4% das intenções e em terceiro marido/esposa/companheiro (a) com 33,3%. O número médio de pessoas a serem presenteadas por entrevistado é de 3,6. O valor médio dos gastos com alimentos e bebidas para as festas de fim de ano ficou em R$ 354,10 por consumidor.


É a primeira vez que a ACIL realiza uma pesquisa com base nas intenções do consumidor e não na expectativa do lojista. “Embora não tenhamos um comparativo por causa do ineditismo da metodologia, consideramos o resultado bastante positivo. Um gasto médio de R$ 491,00 é um valor muito bom”, afirma o diretor comercial da ACIL, Fernando Moraes.


Dos consumidores que não vão presentear, 33,6% alegaram que não vão dar presentes por causa da situação financeira. 21,2% disseram que não costumam dar presentes e 5,1% não querem entrar o ano com dívidas.

44,8% dos entrevistados afirmaram que vão gastar mais no Natal deste ano do que gastaram em 2013, 29% afirmaram que vão ter os mesmos gastos do ano passado e 26,2% disseram que vão gastar menos.


Os itens preferidos para os presentes são roupas com 65% das intenções de compra, em segundo lugar estão os brinquedos com 36,6%, calçados, 29,5% e perfumaria com 19,1%. Objetos de casa e decoração aparecem com 10,4% e eletrodomésticos com 4,9%.

A maioria das compras deve ser feita nas lojas da região central. O centro é o local preferido de 54,6% dos entrevistados. Em seguida estão os shopping centers com 39,3% das preferências. 4,4% dos entrevistados declararam que irão fazer compras em lojas de bairros ou pela Internet.


Compra à vista é a modalidade preferida


70,4% dos entrevistados demonstraram intenção de comprar à vista, sendo que 51,4% pagarão em cheque ou em dinheiro, 9,3% com cartão de débito e 9,7% com cartão de crédito. 36,1% dos consumidores pretendem parcelar a compra com o cartão de crédito e 1,1% querem fazer o parcelamento com talões de cheque. Dentre os que optam pelo parcelamento 65,3% vão parcelar as compras em até no máximo cinco vezes. Para o diretor comercial da ACIL, Fernando Moraes, a preferência pela compra à vista é reflexo de um comportamento mais prudente do consumidor. “Durante o ano, o consumidor foi mais conservador por causa das incertezas da Copa do Mundo e das eleições. Agora quem economizou quer comprar à vista. Os comerciantes devem considerar esse comportamento mais prudente e oferecer mais vantagens na compra à vista.”


Maioria vai poupar ou usar 13º salário para quitar dívidas


Dos 320 entrevistados, 175 afirmaram que vão receber 13º salário. 32% deles disseram que vão usar a renda extra para o pagamento de dívidas, 26,9% declararam que o dinheiro vai ser poupado e 13,7% dos entrevistados responderam que vão usar o 13º nas compras de Natal e nas festas de fim de ano.