17/10/2018 08:00:53 Propósito e inovação

Fonte: Por Claudemir Scalone - Lidere 2018 - ACIL

Sustentada pelo pensamento “sonhe grande, comece pequeno, mas ande rápido”, a empresária Márcia Manfrin foi a segunda atração do Palco Experience do LIDERE 2018 da ACIL. A londrinense falou sobre a história de sucesso da Apetit Refeições Corporativas que fundou com o marido em 1989.

Até alcançar o sucesso, Márcia relatou pequenos fracassos na incipiente entrada no empreendedorismo. Empreender estava na veia. Aos 13 anos, decidida abriu um brechó com prateleiras de tijolos na casa da família em São Jerônimo da Serra. Usava como mercadoria as roupas usadas da mãe. Sem estoque, logo foi à falência.

Aos 14, após estudar um mês de dança, achou-se apta a ensinar as amigas. Novo fracasso, pois não tinha conhecimento suficiente para ensinar.

Ela foi trabalhar numa agência bancária em Apucarana aos 16 anos. Permaneceu até os 21 quando já havia se mudado para Londrina a convite do gerente do banco.

Após deixar o banco, Márcia decidiu empreender. Comprou um barzinho – Aperitivos Joia – e logo depois surgiu a inusitada proposta que daria start para seus empreendimentos futuros: preparar 13 marmitas para a empresa de uma amiga!

“Pensei que ali poderia estar uma oportunidade negócio com uma empresa de alimentação”, contou a empresária à atenta plateia do LIDERE 2018.

“Tínhamos o sonho de ser a maior empresa de refeições transportadas de Londrina e, 12 anos depois, conseguimos”, afirmou Márcia, que não parou por aí.

Baseada no lema que “tudo muda o tempo todo”, a Apetit passou a administrar restaurantes corporativos em 11 estados brasileiros. Hoje são 140 mil refeições diárias.

Inquieta, Márcia decidiu também cuidar de todo o processo de controle de alimentos. Montou uma indústria para cuidar da matéria prima em parceria com produtores rurais de Londrina focada em saúde, pureza e livre de agrotóxicos. Em seguida, veio o frigorífico para controle da procedência da carne e da segurança alimentar.

Márcia Manfrin contou também sobre a preocupação da Apetit com os dois mil funcionários com a criação de uma universidade para capacitá-los. Em seguida, veio a holding para administrar as demais empresas.

E o negócio da Apetit não deve parar por aí no que depender da visionária Márcia. “Vem muito mais coisa por aí”, avisou ela. “O jeito que fazemos hoje não será da mesma forma que faremos amanhã. A tecnologia está presente em tudo que fazemos. Precisamos reinventar o jeito de fazer”, afirmou.

E a empresária deu uma dica importante para quem pensa em empreender. “As empresas de sucesso são aquelas que esquecem o passado, gerenciam o presente e projetam o futuro.”

Ao final, Márcia falou sobre tecnologia, inovação e capital humano. Para ela, a inovação é o que sustenta uma empresa. No entanto, ela fez um alerta: as mídias sociais estão roubando o nosso tempo na medida em que as pessoas ficam mais ociosas e deixam de conversar.

“A massa cinzenta humana é a moeda do passado e do futuro. Essa é a maior riqueza da humanidade”, disse ela. “Nós somos o principal negócio. Nós, seres humanos, somos a principal startup.” E deu outra dica: “Temos que ter um propósito. Qual a emoção que você quer para a sua vida?”

No fechamento da palestra, Márcia exibiu depoimentos de funcionários destacando o ambiente de trabalho e a preocupação da Apetit com o desenvolvimento pessoal e profissional.

“Sonhe em melhorar o ambiente em que você vive. Se trabalhar numa empresa, faça o melhor e cuide de quem está ao lado. Toque o coração das pessoas e faça com que se sintam melhores. Somos muito mais que máquinas.”