20/10/2014 00:00:00 Publicidade on-line é oportunidade para PMEs


Pequenas e médias empresas (PMEs) que estão na web crescem duas vezes mais que as outras. O dado surpreendente foi apresentado por Felipe Ozorio, gerente de parcerias estratégicas de canais de vendas do Google Brasil, durante a 3ª Semana do Empreendedor Digital, que terminou na última quinta-feira em Londrina. O executivo expôs ferramentas de apoio à presença dessas empresas na internet e destacou que ter um site deixou de ser uma opção para se tornar uma exigência. 

Fica fácil entender esse movimento em um País onde as pessoas passam, em média, seis horas do dia conectadas, onde existem 275 milhões de celulares e o número de buscas no Google em dispositivos móveis cresceu 6.725% entre 2010 e 2013. Nem mesmo empresas de atuação apenas local estão isentas da necessidade de se apresentar com qualidade nesse universo. 

Além do necessário site institucional, Ozorio destaca que a publicidade on-line tem como objetivo inicial posicionar a marca, gerar interação com o consumidor e proporcionar o conhecimento do produto ou serviço oferecidos para quem está procurando ativamente informação na internet, mesmo que não se trate de um e-commerce. 

"Tem muito consumidor que não compra on-line, prefere ir até a loja, tocar no produto, testar; a internet deve ser vista como uma ferramenta complementar a tudo o que a empresa faz em termos de esforços de marketing e comunicação", instrui. Ozorio afirma que a publicidade on-line representa uma mudança de paradigma, sem desqualificar os resultados das mídias tradicionais. 

O gerente classifica o marketing feito em ferramentas de busca como "de intenção", uma vez que o cliente assume um papel ativo de consumo quando realiza a busca por determinada empresa ou produto. "A publicidade on-line não deve ser vista como gasto, mas como investimento", frisa Ozorio. 

O executivo apresentou aos empresários as ferramentas de anúncio disponíveis e as vantagens da publicidade na web. Dentre elas destacam-se: baixa dispersão de mídia; investimento estratégico em clientes potenciais; ajustes instantâneos do anúncio conforme o objetivo; acompanhamento total dos resultados; segmentação por local, dia e horário; direcionamento para a plataforma mais indicada. 

Mobile 

Felipe Ozorio apresentou dados que mostram a necessidade de se formular estratégias específicas para tablets e smartphones, uma vez que os usuários destes dispositivos exigem respostas mais ágeis. De acordo com ele, 21% dos brasileiros usam a internet exclusivamente pelo celular e 40% de todas as buscas realizadas no Google partem de dispositivos móveis. "Estes dispositivos exigem estratégia específica, tanto com site adaptado, como comunicação diferenciada, por meio de uma mensagem de comunicação que gere interesse no usuário", ressalta. 

A escolha da plataforma e do meio correto deve fazer parte do planejamento das campanhas de comunicação das empresas para que se atinja o objetivo traçado. "Se for campanha mais institucional, de apresentar um portfólio de produtos, talvez um website seja o mais indicado; para um objetivo de relacionamento e engajamento com o consumidor, talvez seja melhor direcionar para uma rede social", exemplifica Ozorio