29/10/2018 20:16:53 Sinduscon alerta prefeito sobre riscos de travamento da cidade com revisão do Plano Diretor

Imobiliaristas, líderes de entidades classistas, de grandes construtoras e empresários de outros segmentos se reuniram na tarde desta segunda-feira (29) nas dependências da ACIL para demonstrar ao prefeito Marcelo Belinati a grande insatisfação do setor produtivo com os rumos tomados no processo de revisão do Plano Diretor, que será apreciado ainda este ano pelos vereadores. A revisão tem alcance de uma década: até 2028 o documento de planejamento urbano guiará a atuação do poder público e da iniciativa privada, regendo licenças e autorizações.

De acordo com Gerson Guariente Junior, vice-presidente financeiro do Sinduscon Paraná Norte, em uma explanação completa sobre os pontos que as entidades consideram uma “ruptura na história econômica de Londrina”, as restrições impostas pelo texto da revisão comprometem o desenvolvimento imobiliário, a instalação e ampliação de empresas e a revitalização da área central.

As críticas foram contundentes, especialmente ao caráter deliberativo do Conselho Municipal da Cidade e sua baixa capacidade técnica para avaliar as questões mais relevantes. “Não podemos deixar o viés ideológico prevalecer. É o desenvolvimento da cidade que está em jogo. Estamos aqui para defender o futuro de onde vivemos”, afirmou o presidente da ACIL, Claudio Tedeschi.

Guariente lembrou outros pontos, como o coeficiente de aproveitamento básico (proporção entre o tamanho do terreno e o volume de área construída) único para todas as regiões, a restrição aos licenciamentos para empresas de alto impacto na área central (já ameaçada pelos baixos investimentos imobiliários), além da redução do tamanho do perímetro urbano (o que implicaria na inviabilização de novos loteamentos populares). Os líderes também mencionaram a abrangência superdimensionada da zona de amortecimento do Parque Estadual da Mata dos Godoy imposta pela Instituto Ambiental do Paraná como outro entrave que sacrifa o dinamismo econômico.

Em breve as entidades voltarão a se reunir, desta vez na Câmara, para mostrar os riscos aos vereadores. “A revisão vão no sentido oposto de tudo o que acreditamos e contra todo o trabalho que as entidades realizaram nas últimas quatro décadas, quando a cidade começou a discutir seu planejamento a longo prazo”, lembrou o vice-presidente do Sinduscon.

O prefeito disse que muitos esforços estão sendo feitos pela atual administração municipal e que o maior indício da diminuição do travamento é o número crescente de novas empresas em relação ao ano passado.  “O mais importante é que Londrina está se discutindo e isso é muito importante”, afirmou. Belinati se comprometeu a avaliar todos os apontamentos nos próximos dias.