16/01/2018 07:46:17 Varejo londrinense comemora saldo positivo

Fonte: Folha de Londrina

O varejo de Londrina apresentou alta acima da média do Estado no acumulado entre janeiro e novembro do ano passado. Segundo dados da Pesquisa Conjuntural da Fecomércio PR (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná) divulgada nesta segunda-feira (15), as vendas subiram 1,3% no comparativo com 2016 e o Paraná registrou alta de 0,59%.

Os setores de calçados (16,02%), lojas de departamento (14,21%) e concessionárias de veículos (12,89%) foram os que puxaram o desempenho positivo no comércio londrinense ao longo do ano. No Estado, os responsáveis pelos bons resultados foram as lojas de móveis, decorações e utilidades domésticas, com aumento de 28,72% no período de janeiro a novembro, e as concessionárias de veículos, que estão, aos poucos, retomando o ritmo de vendas e tiveram acréscimo de 4,89% no acumulado parcial de 2017. 

O varejo local também teve um desempenho de 6,18% contra 3,04% no Estado no comparativo entre novembro do ano passado e o mesmo período de 2016. Destaque para as concessionárias de veículos. O setor subiu 46,66%, seguido por lojas de departamento (34,04%) e vestuários e tecidos (15,92%). 

O presidente da ACIL (Associação Comercial e Industrial de Londrina), Cláudio Tedeschi, avalia que os dados mostram um ambiente positivo e de recuperação da economia. "Desde novembro vínhamos comentando sobre este clima de recuperação. Os indicadores macroeconômicos têm confirmado esse ambiente positivo. Isso se confirmou com o ímpeto de compra do consumidor, principalmente na indústria automobilística. As compras de bens duráveis são sinais de perspectivas de melhora e confiança no futuro", afirmou o empresário. 

Ele acredita que o varejo deve fechar 2017 com números positivos, apesar das vendas de dezembro terem ficado abaixo das expectativas. "As chuvas atrapalharam um pouco as vendas no fim de ano, mas, por outro lado, percebemos um início de ano muito bom, com movimento intenso no comércio de rua", disse Tedeschi. 

NEGATIVO 
A pesquisa mostra uma queda de 5,53% no varejo de Maringá no acumulado do ano e de 5,3% na comparação entre novembro e outubro. Os setores de autopeças (-31,14%), livraria e papelaria (-24,78%) e farmácias (-10,58%) foram os grandes vilões do varejo da Cidade Canção. 

Na análise mensal (novembro x outubro de 2017), todas as regiões do Estado tiveram alta no faturamento, com destaque para a região Oeste (5,05%) e para a Capital (4,78%). Na variação anual (novembro/2017 comparado com novembro/2016), a região Sudoeste teve o maior acréscimo no volume de vendas, com 11,59%, seguida pela região Oeste (10,38%) e Londrina (6,18%). 

O faturamento em novembro do ano passado no Paraná foi 3,85% superior a outubro, e 3,04% maior do que em novembro de 2016. Os setores responsáveis pelos bons resultados estaduais foram as lojas de móveis, decorações e utilidades domésticas, com aumento de 28,72% no período de janeiro a novembro, e as concessionárias de veículos, que estão, aos poucos, retomando o ritmo de vendas e tiveram acréscimo de 4,89% no acumulado parcial de 2017. 

Por outro lado, os ramos do varejo com maiores dificuldades no acumulado do ano foram combustíveis (-9,64%), autopeças (-8,7%) e livrarias e papelarias (-8,67%). 

A coordenadora de pesquisas da Fecomércio PR, Priscila Andrade, comentou que, apesar de a alta no Estado ter sido apenas de 0,59%, já é um indicativo de reação da economia. "O mais importante são os setores que compõem essa alta. Os dados de lojas de departamento e veículos mostram a melhora da economia. São 'n' fatores que mostram uma reação positiva", disse Andrade. 

Outro dado positivo, segundo ela, é que o empresário comprou 4,12% a mais no acumulado do ano. "Ele não só vendeu mais, mas também comprou mais", afirmou.