16/08/2017 07:55:27 Vendas do varejo avançam pelo terceiro mês seguido

Fonte: Folha de Londrina
O varejo paranaense apresentou avanço de 1,8% nas vendas de junho em comparação com o mês anterior. O percentual ficou acima da média nacional que teve crescimento de 1,2%. Segundo a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), é o terceiro mês consecutivo que o varejo nacional registra alta. Os setores que contribuíram para o resultado foram os de móveis e eletrodomésticos (2,2%), tecidos, vestuários e calçados (5,4%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico – lojas de departamento, ótica, joalheria e outros (2,7%).

Na comparação com junho do ano passado, o comércio varejista nacional avançou 3%, com resultados positivos em todas as atividades pesquisadas. "O resultado foi devido às comemorações das datas festivas de junho. Além disso, foi um mês marcado por uma dinâmica de vendas associada às compras financiadas. Os dados do Banco Central mostram uma redução de 12,9% no custo médio do crédito às famílias", afirmou Isabella Nunes, gerente da pesquisa. 

No acumulado do ano, as vendas paranaenses registraram alta de 2,1% e, no País, queda de 0,1%. O consultor da ACP (Associação Paranaense do Comércio), Claudio Shimoyama, credita o resultado positivo ao maior nível de confiança do consumidor, diminuição da inadimplência, liberação dos recursos do FGTS das contas inativas e redução do desemprego. "Estudos apontam a melhora das vendas no Estado e se percebe que há uma motivação do consumidor", comentou. 

Esse otimismo deve permanecer no segundo semestre. Com a liberação do FTGS muitos clientes colocaram as contas em dia e agora com o nome limpo devem voltar às compras. A nova política do cartão de crédito também promete incentivar o consumo. "As empresas já estão dando descontos para quem pagar no débito. E os preços estão sendo estrategicamente mantidos", disse Shimoyama. 

Segundo o consultor, o varejo paranaense também sofre a influência positiva do bom desempenho da agricultura, principalmente o comércio das regiões Sudoeste e Norte. De acordo com a pesquisa conjuntural da Fecomércio (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná), divulgada na segunda-feira (14), a região Sudoeste foi a única que apresentou alta nas vendas no semestre (0,13%). Londrina teve uma redução nos primeiros seis meses de 0,7%. 

O vice-presidente da ACIL (Associação Comercial e Industrial de Londrina), Fernando Maurício de Moraes, comentou que o resultado nacional também se reflete no comércio local. "Junho e julho já tiveram uma melhora satisfatória, mas ainda está refletindo apenas em determinados setores. Por exemplo, a venda de celulares está em alta. Outros setores estão mais cautelosos", disse Moraes. 

Para o empresário, as notícias da redução da taxa de juro e diminuição do nível de desemprego ajudam a fomentar o comércio. "Estamos com uma grande expectativa que o dinheiro do FTGS que entrou no primeiro semestre se reflita no segundo. O consumidor ficou com o nome limpo e queremos conquistar esses clientes com vendas novas. A retomada da indústria também é um sinal de que o comércio está repondo os estoques", avaliou o vice-presidente. 

EM ALTA 
O varejo registrou alta em seis das oito atividades pesquisadas. Os principais destaques foram os setores de móveis e eletrodomésticos (2,2%); tecidos, vestuário e calçados (5,4%); outros artigos de uso pessoal e doméstico (2,7%). Ainda com contribuição positiva, encontram-se: combustíveis e lubrificantes (1,2%); artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (1,5%); e livros, jornais, revistas e papelaria (4,5%). 

Por outro lado, pressionando negativamente a média global do varejo, destaca-se hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo com recuo de 0,4% após avanço de 1,1% registrado em maio, seguido por equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-2,6%).